Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

Textos para trabalhar na escola – ensino médio

Se você está no ensino médio e procura textos narrativos para trabalhar na escola, confira as crônicas abaixo

Durante o ensino médio, muitos alunos recebem a tarefa de encontrar textos para trabalhar na escola. Agora, em sua busca pela internet, você chegou ao lugar certo. Os textos abaixo (humorísticos e reflexivos) são ótimos para alunos do ensino médio trabalharem na escola.

Acredito que eles serão de grande ajuda para seu trabalho escolar. Por isso, confira esta seleção que separei para você.

Textos HUMORÍSTICOS Para Trabalhar no Ensino Médio

Seguem alguns textos humorísticos que você pode utilizar para trabalhos em sua escola:

Textos REFLEXIVOS Para Trabalhar no Ensino Médio

Por outro lado, talvez esteja em busca de textos reflexivos para seu trabalho de literatura, que trazem uma mensagem interpretativa. As seguintes crônicas literárias podem ser de ajuda:

Contos Para Escola – Ensino Médio

Os contos são textos narrativos que costumam ser mais longos que as crônicas. Se precisa de um texto maior para seu trabalho de escola, os contos abaixo devem ajudar:

Referência bibliográfica

MARTINZ, Juliano. “Textos para trabalhar na escola”; Literatura Corrosiva.
Disponível em http://corrosiva.com.br/textos-para-trabalhar-na-escola-ensino-medio/. Acesso em (DATA DE HOJE)

Preciso de um favor seu: se utilizar estes textos em seu trabalho ou aula, deixe um comentário abaixo me avisando. Assim, vou saber que meus textos foram úteis. ;)

2 Comments

  1. Profa. Maria Flor

    at

    Selecionei 3 contos (Onde estão as chaves?; Camila Helena e Sr. Fregoli, de Juliano Martinz) para enviar aos meus alunos do Terceiro Ano do Ensino Médio Noturno para escolherem um e fazerem uma ficha de leitura. Será uma atividade avaliativa que aplicarei no dia 27/08. Obrigada pelas dicas.

    • Juliano Martinz

      at

      Obrigado, professora!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2020 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑