Exatidão histórica escrever romances de épocaUm romance de época é muito mais do que datas, tratados, movimentos militares e políticos, roupas e objetos de época. Tramas, enredos e personagens povoam nossa imaginação de forma muito mais intensa do que tais elementos.

No entanto, é evidente que não podemos ignorar a história ao escrever um romance de época. Afinal, o que acharia de ler um livro onde uma personagem, no século 15, liga um abajur para verificar um estranho barulho em seu quarto? Ou um romance onde um jovem soldado no Brasil colonial usa calças jeans apertadas, atraindo olhares das moças recatadas? Cá entre nós, quem escreve isso está evidentemente no gênero errado.

Por outro lado, há o outro (perigoso) extremo: a obsessão em garantir que cada detalhe, cada nuance, esteja documentada na história.

Assim, agora é aquele momento em que você fica perdido, se perguntando: então, qual a medida exata? Como não ignorar a história ao mesmo tempo em que não me torno um obsessivo com detalhes desnecessários?

Fatos Históricos Importantes

O que é realmente importante? Ao escrever um romance de época, você precisa conhecer o pano de fundo onde a trama da literatura é desenvolvida. Em especial:

  • O período e a cronologia dos eventos: se escrever sobre um romance ocorrido durante a Segunda Guerra Mundial (por exemplo, na Polônia em 1939), os eventos de pano de fundo (declarações de guerra, invasões, batalhas) precisam ser apresentadas de forma precisa. Neste caso, você deve pesquisar a sequência de eventos e datas para garantir que não escreva bobagens.
  • O cenário político e social: pesquise sobre a situação política, econômica e social do período que está abrangendo. Um romance precisa refletir bem quais eram os temores, situação e ansiedades das pessoas de determinada época.

E Quanto aos Objetos, Roupas e Instrumentos?

Exatidão histórica escrever romances de épocaObjetos e roupas são interessantes em romances históricos porque conferem credibilidade e verossimilhança à obra. É um mecanismo interessante para ajudar o leitor a ser transportado do século 21 para a época do romance. Por isso, convém fazer algumas pesquisas na internet sobre os objetos, roupas e instrumentos utilizados pelas personagens.

Mas não se torne um obcecado por detalhes. Lembre-se: romancistas são contadores de história, e não professores de história. Ou seja, você pode até se certificar se em determinada época já existiam canetas, mas não precisa mergulhar em pesquisas infindáveis para descobrir, por exemplo, a cor exata da tinta utilizada nas cartas manuscritas.

Mas, e se, ao realizar suas pesquisas, você não encontrar os detalhes que precisa? De fato, a história está cheia de lacunas, espaços em branco onde não há consenso entre historiadores. Nestes casos, você tem duas opções: omite os detalhes para os quais não há comprovação ou, então, dá asas à sua imaginação, “inventando” fatos.

Neste último caso, seria bom utilizar o recurso abaixo.

“Baseado em Fatos Reais”

Certamente, você se lembra de livros ou filmes introduzidos com esta máxima. Este é um recurso importante para o autor de romances históricos. Ao deixar claro, no início de seu livro, que se trata de uma história “baseada em fatos reais” você deixa claro que o leitor está mergulhando pelo terreno da ficção, ao mesmo tempo em que estará rodeado por alguns detalhes históricos. Com isso, você reivindica o direito a tomar algumas liberdades para se desviar daquilo que é comumente conhecido e dar novas formas, cores e cheiros aos eventos vividos pelas personagens

Resumindo

É tudo uma questão de bom senso. Você não pode recorrer à desculpa de “licença poética” para realizar o mínimo de esforço ao fazer pesquisas para seu romance de época. A descrição precisa e exata de detalhes históricos pode aumentar o impacto de sua obra. Portanto, faz parte das boas práticas ao escrever um livro passo a passo.

Mas, como já mencionado, lembre-se que você não é um professor de história. Seu romance é uma obra de ficção. E a exatidão histórica precisa estar dosada na medida certa, não ao ponto do exagero. Uma preocupação exagerada com detalhes históricos desnecessários pode fazer com que o livro perca todo o seu charme e vigor.