Poema Sobre Ecos

Infame a solidão
Em fama opressão
O eco onipresente
Em restos, desrestos
Perene, mutila
Rompe sôfrego
Caindo trôpego
Corta elos
Os mesmos elos
Que mantém livres
Nossas almas.

Crédito Foto: Steven Bulhoes