Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

D´Artagnan, o Filósofo, e as novas gerações

Estava indignada diante da complexidade da matéria. E mais indignada ainda diante do fato de ter prova no dia seguinte. Não havia mais o que fazer. Por isso, embirrada, cruzou os braços e anunciou, determinada:

– Vou colar na prova, amanhã.

Seu tio, D´Artagnan, a olhou de soslaio, entortando a boca em evidente desagrado.

– Colar? Ora, ora – Ele assoviou. – Cinco letrinhas bastante perigosas, hein mocinha? O que está querendo dizer com isso?

– Não complica, tio. Você me entendeu.

D´Artagnan pigarreou. É preciso límpida cautela, supimpa prudência e incisiva argumentação ao lidar com as novas gerações.

E também uma posição mais adequada, concluiu. Por isso, fechou o livro “Las Antiguas Culturas Mexicanas” de Walter Krickeberg, e cruzou as pernas.

Juntando as mãos em frente seu rosto, de forma teatral, disse:

– Isso lhe trará duras consequências, mocinha. Se colar, vai perder a possibilidade de extrair o máximo de seu universo intelectual. – Ele começou a mover as mãos como um maestro epiléptico. – Vai perder seu ímpeto individual…

– Mas, tio…

– Vai deixar seu id se confundir com a expressividade alheia e perderá toda sua identidade…

– Tio…

– E vai deixar toda sua incontestável criatividade escoar resolutamente… pelo ralo – encerrou, as mãos erguidas acima da cabeça como uma bailarina.

– Que criatividade, tio D´Artagnan? Não viaja. A prova é de matemática. Como vou ser criativa numa prova de matemática?

Ele voltou a olhá-la de soslaio, dessa vez mordendo o lábio inferior.

– Ah, é? Matemática?

– É.

– Hum, deixe-me pensar. – Ele começou a roer a unha do polegar esquerdo. Quando chegou na carne do dedo e sentiu o gosto do sangue, perguntou: – Em que série você está, mesmo?

A garota, impaciente, respondeu entre suspiros:

– Segunda, tio! Segunda série! E não vou conseguir decorar esse monte de regras de divisão. – A garotinha de sete anos colocou a mão na cintura, determinada. – Por isso, eu vou colar na prova.

D´Artagnan pigarreou de novo, descruzou as pernas e voltou a ler “Las Antiguas Culturas Mexicanas”.

Definitivamente, concluiu ele, não há límpida cautela, supimpa prudência ou incisiva argumentação disponíveis na face terrestre para fazer frente às novas gerações.

Outras crônicas de D´Artagnan:
D´Artagnan, o Filósofo
D´Artagnan, o Filósofo e a Festa

1 Comment

  1. Heitor

    at

    Hahaha! Incrível esta crônica!
    Interessante esse efeito de como você muda as falas das personagens e a narrativa se adequando à personalidade de cada um.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2021 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑