Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

Reafirmação

Queria eternizar suas palavras. Botá-las ali. Uma afirmação. E reafirmação. Estava vivo. Queria se expressar. Do seu coração, bombear elogios. De sua alma, críticas. De cada pele. De cada poro. Ele inteiro, por inteiro.Seria eternizado. Louvado. Repudiado. E outros ados e mais ados. Mas ao menos seria. O que já seria uma grande coisa. Ultimamente, era-lhe complicado ser um algo qualquer. Só “desser”. O inverso de um verso. Um só verso no universo. Sem rimas. Sem climas. Sem um peito a abrasar.

Solidão, um só verso no universo

Queria eternizar suas ações. Uma dentre mil inspirações. Externar o inevitável. Evitar aquela torpe solidão. Olhá-la nos olhos e dizer o que ensaiara uma vida inteira. Palavras cuidadosamente elaboradas, construídas e lapidadas. Com idas e vindas, entre alegrias e traumas, palavras definitivamente combinadas.

Arrancar-lhe-ia o fôlego para tão somente devolver-lhe o suspirar. Romperia pericárdio, envolveria endocárdio. Para no momento do enfim, antes que as cortinas o retirassem de cena, antes que atirado às feras em uma arena, pudesse fazer do coração dela, por um segundo apenas, sua eterna moradia.

 

borda

Receba Novidades

Insira seu e-mail para ser notificado sobre novas postagens da Literatura Corrosiva!

Seu e-mail (obrigatório)

3 Comments

  1. Nossa! Tirou o meu fôlego literário.

  2. Parabéns pelo site, é maravilhoso!

  3. Que lindo e profundo!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑