Diversas pessoas já foram apontadas como sendo o autor da frase: “A caneta é mais poderosa do que a espada”. Independentemente de quem tenha criado a frase, o fato é que a caneta, por si só, não é suficiente para tornar um escritor eficaz.

Para escrever uma redação, você precisará de muito mais do que uma caneta e boa vontade.

As Redações e Sua Estrutura

Independentemente de você escrever uma redação na escola, para o vestibular ou ENEM, as redações costumam apresentar a mesma estrutura. Quando se aprende a estruturar uma redação, tudo o que você precisa fazer daqui para a frente é adaptá-la às regras gerais estabelecidas pelo professor ou comissão de um vestibular. (Lembre-se que alguns documentos acadêmicos são uma categoria própria, possuindo estruturas mais avançadas e exclusivas).

Quando uma redação é escrita de acordo com a estrutura apresentada abaixo, isto se torna um facilitador para o aluno. Além disso, também beneficia o leitor já que melhora o aspecto compreensivo da redação.

Introdução (1° Parágrafo)

Um dos objetivos principais da Introdução é atrair a atenção dos leitores. A Introdução não é a apresentação da ideia em si, mas um mecanismo para deixar o leitor interessado na ideia que será apresentada mais adiante na redação.

Evidentemente, embora não seja a apresentação da ideia, a introdução deve deixar claro do que se trata a redação. Ou seja, ela é uma declaração do que virá a seguir.

Como você consegue despertar o interesse na introdução de sua redação?

Frases de efeito (incluindo citações) são poderosas para atrair a atenção dos leitores para o que virá a seguir. Outros métodos eficientes são o uso de estatísticas:

“10 em cada 10 leitores da Literatura Corrosiva são pessoas incríveis”

Você deve apresentar a ideia principal da sua redação, porém, sem estabelecer argumentos. Neste momento, você está apenas exibindo o plano de fundo. Ainda assim, você já pode deixar claro para o leitor qual é a sua posição.

Não se estenda demais. Introduções eficientes não precisam ter mais do que 5 frases – todas elas alocadas em um parágrafo.

Desenvolvimento, Corpo ou Argumento (2°, 3° e 4° parágrafos)

Aqui é onde você precisará suar um pouco mais. Chegamos ao ponto em que as ideias que foram esboçadas na introdução serão definitivamente apresentadas. É o momento para os argumentos virem à tona. É a parte mais longa da estrutura de uma redação. Arregace as mangas e vamos lá!

Comece com o pé direito. De todos os argumentos que você tem à sua disposição, utilize o mais forte logo no primeiro parágrafo. Isto será de utilidade para desarmar os pontos contrários ao seu argumento, conforme mencionado logo abaixo.

Não se limite a apresentar sua ideia como se ela fosse perfeita e não possuísse quaisquer falhas. Um bom desenvolvimento costuma apresentar os prós e os contras do assunto em pauta. No entanto, os contras precisam ser “neutralizados” por meio das vantagens oferecidos pelos prós.

Também cuidado com o uso do “eu”, “eu” e “eu”. A menos que se trate de uma narrativa pessoal, ou seja, uma experiência vivida por você, procure utilizar pronomes mais generalizados.

Os principais componentes do desenvolvimento de uma redação podem ser assim classificados:

  • Elaboração: apresente detalhes sobre o que está sendo abordado. Procure apenas incluir informações relevantes que ajudarão a esclarecer a questão. Detalhes desnecessários têm a tendência de deixar a redação muito longa, confusa e com pouca relevância.
  • Ilustração: recurso para ajudar os leitores a visualizar o que você está apresentando. Utilize as imagens verbais para esclarecer os pontos principais, incluindo histórias da vida real. Desenvolvimentos com descrições ilustrativas são mais fáceis de serem acompanhados do que aqueles baseados somente em informações abstratas. Explique claramente porque este exemplo visual apresentado corrobora sua tese. Mas não se prenda a detalhes desnecessários; foque somente nos dados ilustrativos vitais para apoiar sua ideia.
  • Argumentação: apresente os argumentos, os motivos ou razões para o seu ponto de vista. Você deve justificar suas ideias e afirmações.

Devido à quantidade de informações, é necessário ajudar os leitores a acompanharem suas ideias. Portanto, não se esqueça de utilizar com sabedoria os conectivos. Conectivos são palavras ou frases de conexão que auxiliam o leitor na transição entre ideias. São como pontes para atravessar um rio.

Veja uma lista de alguns conectivos utilizados para organizar a apresentação das ideias.

  • Exceções: porém, no entanto, mas, infelizmente, etc.
  • Comparações e Ilustrações: por exemplo, da mesma forma, em contraste, etc.
  • Adições: além do mais, além disso, somado a isso, etc.
  • Conclusões: portanto, sendo assim, em conclusão, etc.

Os conectivos precisam estar relacionados, mesmo em parágrafos diferentes.

Por exemplo: digamos que você abriu o primeiro parágrafo do Desenvolvimento com a palavra “Primeiro”. Neste caso, o segundo parágrafo se tornaria melhor interligado ao primeiro se ele fosse aberto com a palavra “segundo”, ou outro conectivo, como “no entanto”, “entretanto”, “além disso”, etc. Assim, você fará com que diferentes parágrafos estejam trabalhando em conjunto, unidos com o mesmo objetivo.

De modo geral, 3 ou 4 parágrafos são mais do que suficientes para o Desenvolvimento de uma redação.

Conclusão (5° parágrafo)

A terceira parte da estrutura de uma redação é a Conclusão. Neste campo final de sua apresentação, você faz um último apelo aos leitores. É a declaração que encerra sua tese.

O objetivo da Conclusão é estabelecer uma ideia na mente do leitor que guarde a essência do que foi apresentado, gerando consciência e reflexão posterior.

Tal declaração precisa ser impactante para atingir seu objetivo. Portanto, deve ser uma conclusão poderosa, até mesmo com um apelo dramático.

Não se estenda demais na Conclusão (4 ou 5 frases são o suficiente). Os argumentos já foram apresentados no Desenvolvimento. Utilizar a Conclusão para recapitular todas as ideias já mencionadas é cansativo e despropositado. Assim, provavelmente, você não precisará mais do que um parágrafo para elaborar seu texto conclusivo.

Como mencionado sobre os conectivos, você pode abrir sua conclusão utilizando expressões como “em conclusão”, “portanto”, e outras similares. É um recurso que ajuda o leitor a perceber que a discussão chega ao fim, sem pegá-lo de surpresa.

Ao escrever a redação, é provável que você tenha repetido o ponto (ou palavra) principal, diversas vezes ao longo do texto. Para não se tornar cansativo, evidentemente, você utilizou sinônimos ao longo da redação. No entanto, na Conclusão, procure utilizar as palavras usadas na Introdução. Desta forma, você consegue “amarrar” o texto, reforçando o argumento.

Acompanhe o blog para você obter mais informações atualizadas sobre redação e outras dicas importantes sobre a arte de escrever.