Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

PRIMEIRAS FRASES DE ROMANCES QUE NUNCA ESCREVEREI

Se eu estivesse inspirado para escrever um romance, começaria mais ou menos assim

Melhores Primeiras Frases de um Romance

Certa vez, listei algumas de minhas preferidas primeiras frases de romances. Tosca mania: apanhar dezenas de livros, num espaço de alguns minutos, e me divertir lendo as sentenças iniciais. Como citado em tal post (por sinal, o que estreou este blog) alguns chegam ao ponto de avaliar um bom livro com base em sua primeira frase. Insano exagero? No mínimo, é uma poderosa forma de atrair e manter a atenção dos leitores.

Para jovens escritores, aí pode se alavancar um desafio. Já que não possuem um nome de peso, causar um bom impacto na primeira frase de um livro pode ser uma tarefa demasiadamente árdua.

Como já postei sobre isso, além de ser relativamente cômodo encontrar posts relacionados a tais frases no universo da literatura, resolvi fazer algo diferente: criar uma lista de primeiras frases para romances que não existem. Como a ideia de escrever um novo romance não me agrada agora (pelo menos, não enquanto existirem 2 engavetados, e outros 3 iniciados esperando uma renovada inspiração), limito-me ao divertido processo de criar apenas as primeiras frases de romances que nunca escreverei.

Apenas as primeiras frases. Sem título, o que já seria pedir demais para uma mente cansada, preguiçosa e gaga.

Por onde começo?

  • Não havia dúvidas de que Antonio Fuconte insultara a máfia. Afinal, encontraram-no num galpão abandonado, sem braços e pernas. Aquilo não era trabalho de amadores.
  • Quando acordei naquela manhã, pude sentir o cheiro de carne queimada. Levei alguns minutos para perceber que não era a minha.
  • Os médicos deram 3 anos para Olivetto Bucoqui. Isso ocorreu 5 anos antes dele se tornar o mais famoso ladrão de bancos da história.
  • Karine tinha um sério problema de relacionamentos. Foi o que pensou ao ver o corpo do sexto marido ser levado pela correnteza.
  • Ela se banhava vigorosamente, o rosto frígido, a pele vermelha esfregada com violência, como se tivesse algo a esconder. E realmente não tinha? Se descobrissem metade do que ela fizera na última hora, passaria o resto de sua vida na prisão. Se descobrissem a outra metade, seria executada.
  • Não me lembro de quando sofri o acidente. Mas me lembro do rosto de Susane, me socorrendo. Não me lembro do hospital onde passei as 3 semanas seguintes. Mas me lembro de Susane me visitando. Não tenho noção do poço de problemas que minha vida se tornou desde então. Mas tenho certeza de que Susane é a grande culpada.
  • Ele cometeu os piores erros em sua vida. Ironicamente, acabou na prisão tentando salvar a vida de Helena e seus três filhos.
  • São tempos difíceis para os românticos. Especialmente quando se descobre, aos 20 anos, que toda sua vida foi uma farsa.

Do nada, bateu uma vontade escrever um romance. Esta não foi a primeira frase de um.

borda

Receba Novidades

Insira seu e-mail para ser notificado sobre novas postagens da Literatura Corrosiva!

Seu e-mail (obrigatório)

2 Comments

  1. wellington ramos

    13 julho, 2013 at 10:18

    tenho muita vontade de escrever um livro, por isso estou pesquisando para que eu possa publicar uma obra que o leitor sinta prazer em ler, por eu não ter experiencia estou recorrendo aos mais experientes, um abraço.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2017 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑