Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

Mitos e Verdades Sobre Ser um Escritor

Tantos conselhos direcionados para aqueles que ainda sonham em publicar seu primeiro livro – é preciso separar o joio do trigo. E aproveito para ter uma conversinha ao pé do ouvido com os aspirantes (?) a escritores

Mitos e verdades sobre ser um escritor

Mergulhados em sua ânsia de ter um livro publicado, jovens escritores buscam orientação para guiar seus passos rumo à realização deste sonho. E para isso, esforços não são medidos: compram livros, fazem pesquisas, buscam conselhos, seguem regras. Uma avalanche de informação derramada sobre mentes ansiosas. Infelizmente, muitas destas informações não passam de mitos, inverdades e mal-entendidos.

Portanto, nada melhor do que esclarecer alguns pontos sobre o que realmente significa ser um escritor.

Aspirante a Escritor? Como assim?

O que seria um aspirante a escritor? Realmente, não sei. Ou é escritor ou não é. Ou será que perdi metade do filme e ninguém me avisou? Se você escreve, parabéns, você é um escritor. Se não escreve, então não é. Aspirante, para mim, é um estado nulo que não significa coisa alguma.

O que a pessoa deve aspirar é atingir alvos mais nobres, potencializando suas habilidades: melhorar os hábitos de escrita, publicar um livro, dar entrevista em algum programa de televisão, ou o que quer que seja. Todos podemos desejar ser escritores melhores, subir um degrau mais alto.

A Receita do Sucesso

É preciso ter em mente que não existe uma receita única (muito menos perfeita) para se tornar um escritor profissional. Blogs como esse oferecem conselhos. E conselhos são o que são: apenas conselhos. Acredito que muitos funcionem – mas não para todas as pessoas. O que serve para um talvez seja idiotice para outro. Ninguém tem a chave da perfeição. Se alguém lhe disser que tem a fórmula para se tornar um escritor de sucesso, cuidado! este cidadão está emanando ingenuidade pelos poros. Ou má intenção. Realmente não sei o que seria pior.

Mas não há como negar – é preciso estar atento a alguns conselhos para aprender a se orientar. Porém, não corrompa seu próprio estilo e natureza. E lembre-se: para chegar até o tesouro, em determinado momento, você precisará tirar o olho do mapa e começar a andar.

Efeitos Colaterais

Haverá dias em que você se sentirá um amador, o pior escritor que esta terra já pariu. Você vai enfrentar o pesadelo das páginas em branco, como se estivesse mergulhado em uma tempestade de neve. Você ainda vai odiar o que escreveu. Dias ruins fazem parte do pacote. Além disso, se você não tiver outra fonte de renda, provavelmente, vai passar fome. Mas relaxe! Você precisa aprender a isolar sua mente de pensamentos e realidades negativas e simplesmente continuar escrevendo.

Você é um Escritor, Não um Rei

Aceite os fatos: nem todas as coisas estarão em seu controle. Você pode fazer apenas metade do serviço. O acaso fará o resto. Se ele for com sua cara, talvez você figure nas estantes das principais livrarias do país. Do contrário, sempre haverá uma plataforma de blog onde você poderá se expressar.

Ler Não Fará de Você um Escritor

Dizem por aí que para aprender a escrever é preciso ler, ler e ler. Tá bom! Então vou aprender carpintaria sentando em uma cadeira, várias vezes ao dia. Desculpe, parceiro, mas para aprender a escrever, você precisa escrever. A leitura crítica ampliará seus horizontes, reforçará seu manancial de palavras, além de ajudar a entender as sutilezas da mente de um escritor. Mas para escrever um livro você precisa encher seus dedos de calo.

Sucesso da Noite Pro Dia

Não existem sucessos súbitos. Quando se deparar com um escritor que até ontem era um reles anônimo, e que hoje é um grande sucesso, acredite: ele está ralando há muito tempo, talvez desde quando você ainda borrava as fraldas.

Regras Foram Feitas Para Serem Quebradas

É importante conhecer muitas destas regras porque assim você estará em condições de saber quando elas podem ser quebradas. Algumas delas, talvez você quebre só para perceber, tempos depois, que seria melhor tê-las seguido (e o que você realmente quebrou foi a cara). Mas, como tudo na vida, é errando que se aprende.

Aprenda a Apanhar

Se for escritor, precisa estar preparado para ouvir o que não quer ouvir. Agentes, revisores, editores, leitores, trolls, todo o universo dirá coisas que vão lhe acertar o estômago com um soco. Ser escritor é espalhar o convite: “pode bater que eu aguento”. Então prepare-se! Você precisará de um bom guarda-pedras. Ou então um exoesqueleto quitinoso.

Mas, não desista. Você pode fazer o que quer fazer. Não há gritos ou campanhas que possam te silenciar. O que acontece entre você e essa página em branco é apenas seu. Ninguém no mundo tem o poder de interferir nisto. Se você gosta de escrever, dê o seu melhor. Não espere nada além disso, nem recompensas, nem tapinhas nas costas, nem elogios. Apenas abrace a satisfação que somente escrever um livro pode proporcionar.

(Crédito Foto: Maria Dolgopolova)

 

borda

Receba Novidades

Insira seu e-mail para ser notificado sobre novas postagens da Literatura Corrosiva!

Seu e-mail (obrigatório)

43 Comments

  1. Suzy M. Hekamiah

    8 maio, 2013 at 02:57

    Simplesmente tudo o que eu penso a respeito. Escrever é Arte, vem de dentro, normalmente quem escrever com o coração só vai perceber/querer ser que é “escritor profissional” um bom tempo depois.
    Principalmente sobre a “receita do sucesso” e sobre “ler” você está certíssimo.
    Beijos da colega escritora

    Suzy M. Hekamiah

  2. ótimo post.
    Bem realista.
    gostei quando deixa claro. Ser escritor é escrever, publicar é otra história e também do que é básico pra mim: ler ajuda muito, mas sem sentar a bunda na cadeira e escrever, escrever e escrever não há como progredir.

    Grande Abraço.
    Giovanne

  3. Preciosas dicas!

    Acredito também que não fórmulas para o sucesso! E sim aperfeiçoamente com o tempo, como você disse só sabe aprender a escrever melhor com o passar dos anos..

    beijos! sucesso!

  4. Li o post e adorei! A escrita é direta e sincera, fazendo o escritor iniciante enxergar encarar alguns mitos.

  5. Conceição Oliveira

    9 maio, 2013 at 11:19

    Grandes verdades que muitos não entenderão .
    Concordo e rubrico por baixo!
    Parabéns,

    Conceição Oliveira

  6. Uau!! Este post é realmente muito bom e acabei lendo por acaso. Cansei-me de ouvir blablablá e um monte de regras sem pé nem cabeça, muitas vezes vindo de pessoas que nunca se dignaram a escrever uma única linha. Escrever é uma arte e como todas as artes têm os críticos que as detonam e jogam o ego e tudo o mais abaixo da linha do solo. Só um lembrete, tem pancadaria pior que esta. A redação publicitária, que também é texto pode ser um bom preparo para o futuro escritor. Passei por isso e recomendo.
    Adorei o fechamento do texto. Quem ama escrever não terá nada melhor que isso, nenhum prazer, nenhum elogio traz a sensação de ver o seu texto em uma “folha” em branco.
    Parabéns!

  7. clara alcione martins

    10 maio, 2013 at 13:56

    Muito bom. Leve, direto e verdadeiro

  8. Excelente post, contudo discordo sobre a necessidade de ler. Acho que a leitura é fundamental para quem quer escrever. Ler muito e ler com todos os sentidos em alerta, não apenas passando os olhos no texto, ou lendo preocupado com o desenvolvimento da trama. O bom escritor precisa pensar na construção da trama, no conjunto de palavras que formam as frases. Nos elementos que, enfim, compõem a narrativa. Sim, o bom escritor precisa conhecer e bem todas as regras, e saber como e quando pode quebrá-las. Após avaliar vários escritores e o modo como escrevem, ele, o aspirante poderá escolher o seu próprio estilo. Existe mil maneiras de dizer a mesma coisa. E isso faz uma grande diferença. Tenho encontrado aspirantes a escritor que não sabem planejar um conto uma novela ou um romance, e, muito menos construir os personagens. Essas regrinhas simples e corriqueiras farão uma grande diferença no momento de um texto ser avaliado.

  9. Gostei da simplicidade de expressão,,pois estava precisando alguma coisa desse tipo,por isso me emotivou a continuar meu projeto,pois sou iniciante e estou a cada dia tentando melhorar ,,obrigado abraços .

  10. Rogerio Rodrigues

    29 maio, 2013 at 09:05

    Muito bom!!! Adorei , era isso mesmo que eu pensava em fazer, ser eu mesmo ser natural e escrever o que me realize sem regras o cara é escritor ou não é…….

  11. Esta questão gira em torno de um: ser ou não ser; Ler ou não ler; crer ou não crer… De modo que vejo que no Brasil regionalmente mais tentamos quebrar regras para tentar acertar um alvo do que tentar acertar o alvo primeiro. Vejo que muitos aspirantes a publicador de ideias, fluem meio que nas paixões que vem de dentro, saca? Fico a crer que nosso maior problemas ante o post é conhecermos, como bem diz o texto, as regras, mas previamente não quebrá-las. Já presenciei muitos alunos universitários rasgarem os alfarrábios de suas vidas por causa de uma essência literária desconhecida como o: Carpe Diem. E depois de extravasarem e se recolherem, tiveram que juntar parte por parte dos seus alfarrábios e por fim se verem a doidivanas à procura da batida perfeita. Mas há batida perfeita? Há mão certeira?
    Somos como brasileiros ótimos otimistas, mas péssimos pessimistas, de modo que quando alguém publica: quebre as regras! Certifique-se de que sabe como passar ao próximo passo…
    DESCULPEM A VERBORRAGIA KKKKK, mas é que percebo que quanto mais tentamos nos comunicar com o mundo, mais ele se distancia tal qual a teoria da expansão do universo… Por isso me vejo a anos-luz de ver as publicações minhas e de amigos meus. Desculpa aê o desabafo….

  12. Ótimo “conselho”, mas é complicado seguir o que os outros falam, mesmo que seja uma coisa boa, certa. Com certeza nesse caso é bom ter perseverança.

  13. Silvia Regina Pellegrino Freitas da Rocha

    30 maio, 2013 at 11:42

    Gostei de sua forma direta. Concordo, em parte, com o que diz. Mas ainda acho que apesar do dom da escrita é preciso ler muito, inclusive com um olhar crítico para o estilo do escritor. Depois, também é preciso ter em mente algumas regras básicas: ter bom conhecimento da língua em que se escreve, sua escrita precisa obrigatoriamente ter começo, meio e fim e, muito importante, ter um estilo próprio. Isso é apenas o começo para você começar a criar um público leitor. Seria incoerente dizer que o escritor não quer ser lido. É óbvio que todo escritor espera ser lido. Ninguém escreve para as paredes. Assim aqueles, como eu, que querem se tornar bons naquilo que fazem, necessitam seguir esse caminho básico e ter o dom da escrita. Dizer que alguém pode fazer uma pessoa “virar” um escritor é balela. O sucesso. Ah! O sucesso. Este sim, vem com o acaso, sorte, seja lá o que for.

    • “Mas ainda acho que apesar do dom da escrita é preciso ler muito, inclusive com um olhar crítico para o estilo do escritor.”
      “…ter bom conhecimento da língua em que se escreve, sua escrita precisa obrigatoriamente ter começo, meio e fim e, muito importante, ter um estilo próprio.”

      Aproveitando a oportunidade de ler e escrever. Precisamos ter em mente fértil, que, quando nos livros de literatura se fala e explica acerca dos autores nascidos de folhetim e sua graça com os leitores; temos que precisar nisto antes de cobrar um ponto chave: “…ter bom conhecimento da língua em que se escreve…” Vocês nunca acharam estranho que do século XX pra trás, com tantos problemas sociais e de analfabetismo, havia uma certeza nos mecanismos de escrita e que os folhetins eram os próprios discursos? Onde ofensa era ofensa até no nome, como se diz? O que quero dizer é que; antes tínhamos um ciclo linguístico vívido (português de Portugal na colÔnia) e hoje temos ‘N’ formas de nos expressar linguisticamente mais vívidas ainda, temos mais leitores, alguns até Zilingues, temos mais jornais onlines ou não, revistas etc. porém não há mais impacto social no que se escreve: ofensa é uma palavra que não mais ofende.
      Agora, acredito que há dois problemas. 1) Há menos escritores com o dom de escrever o veem 2) e com o capitalismo há muito mais técnicas de compilação de lógicas editoriais. Quem conhece de música sabe que as bandas sinfônicas que dão vida as trilhas sonoras tem como compositores compiladores (o tema que causa arrepio; o tema que causa comoção; o tema que causa euforia) e isto há nas leituras acerca da música.
      Pois bem, com isso acredito que há mais marketing estratégico e e técnicas de compilação para vendagens do que histórias reais. Para quem vive de novela das 9 e não pesquisa em literatura sabe que até as novelas possuem um esquema e o que muda é justamente a técnica de apresentação e desenvolvimento.
      No ponto do ler muito, acredito, que não ajuda se não há dom, porém se há o “dom” então tudo se aglutinará por uma questão de perspicácia espirituosa.
      MAS CONVENHAMOS, COM UMA POLÍTICA ESCOLAR DE ESCANTEAMENTO DO CÉREBRO NO BRASIL E DO ASSALARIAR AS VIDAS E DO IMPORTAR LITERATURAS CALMANTES, HÁ COMO MACHADO ASSIS COMPETIR?

    • Alvaro Mendes

      10 agosto, 2014 at 14:19

      Silvia Regina Pellegrino Freitas da Rocha,
      apreciei demais seu lúcido comentário sobre ser um escritor das reflexões do texto supracitado ,alencado pela autora,e realmente pecou no quesito :ser dispensável ler muito a um escritor bem sucedido. É um longo aprendizado,que raramente os fracassos não façam parte essencial dele.Nada de mágica ,que n ão seja o que vai no íntimo ,e da forma mais simples possível.Que já é um batalha colossal.E muitas vezes se torna um escritor por um acaso feliz.

  14. Então. Só não concordei com a parte em que você não enfatiza a necessidade de ler muito. ´´Ler Não Fará de Você um Escritor´´ O certo seria…
    ´´Ler é uma das ferramentas úteis para se virar escritor.´´

    Concordo que não da para virar escritor apenas lendo, como você citou no final daquele comentário. Mas a verdade é que ler ajuda a aumentar o vocabulário e o conhecimento sim. Por tanto, se quiser ser um bom escritor, tem de ler também. Na verdade tem de ler e escrever. Ler é teoria, escrever é prática. Isso é regra.

    OBS: Gostei do termo ´´exoesqueleto quitinoso´´.

  15. Abilio Arruda

    14 junho, 2013 at 16:46

    Obrigado pelo encorajamento…

  16. Adorei os seus conselhos, são bons.
    E concordo, se voce começar a ler demais, vai querer copiar alguem, e voce tem que ter seu proprio estilo…

  17. Cara, não de onde veio a inspiração, mas seu texto é muito bom! Eu me senti assim a vida inteira: uma estranha no ninho. E também sou poetisa e formada em Letras. E vou te confessar uma coisa: quanto mais cresce em quantidade os poetas publicados, mais se perde em qualidade…. sou mesmo muito crítica e tem muuuita porcaria publicada por aí, mas fazer o quê, né? Democracia é isso e que os melhores ganham justo reconhecimento!
    abraços a todos os corajosos e valorosos escritores!

  18. Antonia Acassio

    19 junho, 2013 at 17:40

    Muito bom texto, e serviu para remir um pouco os meus medos. sou iniciante nessa área e já li alguns artigos nessa área e fique mais aliviada principalmente com relação a questão da inspiração. sempre quis escreve e adiei muito meu sonho achando que eu não tinha dom. eu sempre gostei de ler mas mesmo assim nunca me sentia preparada para escrever até que tomei coragem. comecei a escrever e com espanto que vejo onze texto em onze paginas. sempre me pergunto fui eu mesma que escrevi tudo isso?

  19. Laercio Silveira Filho

    20 junho, 2013 at 09:09

    Gostei do seu texto. Não vou dizer que me abriu portas, que cheguei às lagrimas, ou qualquer coisa
    desse tipo. Mas gostei.
    Escrevi a vida inteira mas a barreira que eu encontro é que eu escrevo para mim mesmo.
    Não escrevo para agradar ninguém.
    É necessidade, prazer, obsessão, descoberta, paixão!
    Parte de um poema meu: Escrever…escrever, / Eis minha paixão, / É um ser tão imenso, /Que calado as
    vezes penso, / Não haver nada melhor.
    FUI!

  20. ótimo!!! Posso perceber então que já sou uma escritora… o que preciso é me aperfeiçoar e acreditar!!!! Valeu pelas dicas,

  21. Muito bom, eu que estou começando a descobrir o prazer na escrita vou aproveitar tudo deste post, obrigado estou começando a escrever pequenos textos futuramente quero escrever uma historia propriamente dita mas enquanto isso leio e escrevo ate calejar os dedos….

  22. carlos cristian

    29 junho, 2013 at 20:12

    Olá ótimo post.
    Eu estou escrevendo o meu primeiro livro.
    Neste instante ainda estou na Pagina 6, e eu tenho muitas ideias.
    Eu não sei muito sobre as coisas, afinal so tenho 17 anos, mas tenho uma mente aberta e assuntos para falar.
    Abraço.

  23. Josival Monteiro

    6 julho, 2013 at 21:23

    Achei interessante seu ponto de vista quando fala sobre Mitos e Verdade sobre ser um escritor.
    Para mim, ser escritor é muito mais profundo, o escritor precisa ser sensível, ele tem que viajar no que escreve ser coerente e conciso. O leitor gosta de viajar na leitura as vezes tenho observado que tem muitos escritores que gostam de enfeitar muito usando muito vocabulário não necessário. Não sei se me expliquei o bastante.
    Abraço.

  24. gabriela shapiama

    5 agosto, 2013 at 14:19

    Gostei muito da matéria, mesmo assim ainda tenho a convicção, que ser um escritor é um dom divino, não é dado a qualquer um, pode até ter na teoria tudo estrategicamente… até um pouco de praticidade…mas alguem que já nasceu com ele… faz florescer a criatividade naturalmente, inconsientemente e ela vem tão amontoada que pode ficar desorientada e embaralhada, pois todos mesmo o quão abeçoado for… continua a ser um simples humano.

  25. Andrielle Generoso

    16 agosto, 2013 at 23:16

    Eu amo escrever, escrevo a muitos anos, estou no meu quarto livro , não lancei nenhum ainda , mais se Deus quiser em breve irei lançar!
    Amo o que faço, vem da alma.
    se alguém conhecer uma editora boa ai me avisem por favor.
    Abraço e fiquem com Deus .

  26. Bom conselho para os que melhoras almejam…

  27. Achei muito interessante o que você disse sobre aprender a escrever ,escrevendo .Mas acho que ler pode ajudar ,e muito a desenvolver o escritor que está dentro do leitor. Quanto a comparação com a cadeira, podemos pensar que sentar numa cadeira não fará de ninguém um carpinteiro ,mas certamente sentando e levantando várias vezes, poderá fazer com que se perceba se está sendo desenvolvida má postura por algum defeito que ela tenha .

  28. Adorei o post, mas acho que ler é importante. Ajuda você a se centrar e a ter ideias originais, você sai do mesmismo de sempre.

    É claro que isso considerando que você terá respeito pelo autor e obra e não copiará uma vírgula! Mas no restou, concordo com você.

    Ser escritor dá trabalho, eu meio que estou no aspirante kkkk porque eu escrevo à quase 8 anos, mas jamais tive coragem de publicar nada, não até esse ano (que comecei a trabalhar mesmo nos meus projetos)… então é óbvio que inseguranças surgem e vai machucar ouvir os julgamentos dos outros, mas isso é o que nos faz felizes e sermos quem somos, malucos que amam escrever e entreter.

  29. Kleyson Morais

    9 dezembro, 2013 at 19:00

    Muito bom, estou iniciando um livro fruto de indignação, emoção e sonhos, e os seus textos me ajudam muito.

  30. Tenho visitado e blog , lido todas as dicas e comentários, muito bons, verdadeiros, o que serve para uns , nem tanto para outros, pois sabemos que somos bilhões no planeta e nenhum DNA igual, isso é a maravilha da existência humana. E tenho certeza que deve ser assim também na hora de escrever.Desejo escrever um livro sobre a experiência pessoal que vivi e vivo, por fazer parte de uma história que já vi contada em filme , de uma pessoa se esquecer de tudo no dia seguinte em que acorda, ou de não se lembrar de quem era , quando acorda ao lado de seu companheiro ou companheira. No filme parece fácil, mas acreditem, foi e tem sido o maior desafio de minha vida nos últimos dez anos. Participar da reconstrução da identidade de uma pessoa que perde totalmente a memória após um rompimento de um aneurisma cerebral , não só a memória mas todos os movimentos ; fala , audição essa é a história que vivo , ler sobre tudo o que é possível sobre o assunto tem sido de praxe dia a dia , sobre fisioterapia , fono, audimetria, as conexões que o cérebro pode voltar a fazer depois de lesões cerebrais severas que é o caso de meu marido,tem ajudado muito nesse percurso e não há outro caminho a não ser a leitura e o conhecimento. Parece lindo num filme mas acreditem é muito difícil , o neuro que nos acompanha sempre me diz -escreva tudo o que você tem vivido.Mas só agora depois desses anos todos tenho conseguido pensar nessa possibilidade. Os filhos cresceram ele esta melhor.Consigo falar sobre isso ,porque não escrever.

    • Juliano Martinz

      10 janeiro, 2014 at 18:14

      Sem dúvida, escrever ajuda não somente a lidar com a situação, estimular o autoconhecimento, mas também a prover uma lição de vida para os leitores. Procure escrever sobre acontecimentos e sentimentos, e deixe o processo de correção e edição para depois. Falo isso para que você não perca a intensidade do que está vivendo e descrevendo.

      Abraços e felicidades!

  31. Eu sou escritor.
    Escrevi um livro e em breve será publicado.
    Declaro de plena sabedoria que este blog é recomendável! Muito bom mesmo, e cativa imenso a encarar a realidade como ela é!
    Obrigado por haver gente boa assim, capaz de clarificar as coisas.
    Espero que seja visto por muita gente; só era bom!

  32. Priscila Machado

    9 junho, 2015 at 23:35

    E essa escrita irreverente e maravilhosa? Estou amando a Corrosiva!

  33. Gostei muito sabe eu escrevo de vez enquando mais eu na conheço regras .
    Olha só que eu escrevi.
    Alma
    A vida na busca de liberdade e alegria. A amarga sinceridade que encontramos a felicidade.
    A doce famavel verdade dadiva de tudo que é certo se escolhe.
    De tanto a minhez faz nascer o saber.
    Amar sem esperar sofrer e esquecer.
    Continuar a caminhada e lutando pra caminhar.
    Sobre espinhos que eu piso vou levando o meu humilde juízo. ..

    Eu gostaria de saber o que eu escrevi se é sofonia crônica ou outro gênero literário se assim possa dizer .

    Me respondam por favor um abraço e eu gostei .
    Obrigado

  34. Isaac Ferrer

    7 julho, 2015 at 15:47

    Não há como questionar o inquestionável texto; respostas diretas…
    lendo-o, acabo de pari a seguinte frase: É ERRANDO QUE SE ARREPENDE.

    certamente todos nós queremos acertar…

  35. Eu passei por todas essas fases, e teve dias que eu me odiava, e odiava o que eu estava escrevendo, queria jogar no lixo, até que foi aprovado. Hoje vou publicar meu segundo livro, e o primeiro, provavelmente terá segunda edição em outra editora. Estou muito feliz com minha nascente carreira de escritor. Defini o meu estilo, e é ele que quero seguir.

  36. obrigada pelo post, me ajudou muito. Adorei os conselhos. Então, eu sou boa com redações e artigos para o meu blog, mas agora tenho uma história para escrever. Desde janeiro estou escrevendo e reescrevendo, mas acho que não sou tão boa assim, ou pelo menos ainda não estou escrevendo do jeito que eu gostaria de escrever. Vamos ver no que vai dar. Beijos.

  37. Cleide Maria Freitas

    21 maio, 2016 at 09:36

    Adorei esse post! É exatamente como penso. Ser escritor é como ser mãe, você simplesmente ama o que faz entre dias ruins e dias maravilhosos, o que importa é a obra. A sua criação, o resultado que te satisfaz e te deixa feliz! A sua obra é o seu filho!

  38. Bruno Rodrigues

    10 novembro, 2016 at 16:31

    Existem alguns pontos que devem ser raciocinados melhor, como, por exemplo, o fato de o escritor iniciante não saber escrever bem no começo da carreira, e ter uma visão errada de seu trabalho. A maioria dos escritores pensa (sem entender a veracidade do trabalho) que escrever é um “assombro” que deve ser deixado de lado. Mas a verdade é que esse “assombro” se dá pelo fato de não entendermos corretamente o que é escrever, em sua forma geral.
    Escrever não se trata de simplesmente “vomitar” palavras no papel, sem nenhum sentido específico para o ato, mas também de colocar seus sentimentos, sua alma, e, acima de tudo, sua dedicação. Além disso (ainda), temos de expressar sabiamente o que queremos dizer, e verificar se vale a pena “gorfar” tudo que vêm à mente.

    ( Adorei o post. Você me ajudou bastante. Poderia entrar em contato comigo para algumas informações? Abraços!)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑