Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

Crônica sobre isolamento social

Quando os pés tocaram o chão, assim que levantei, pensei: uhul!

Ah, ledo engano!

Que uhul que nada. Eu deveria ter desconfiado desde o começo.

As primeiras notas soaram perfeitas. Quarto, banheiro, sala, geladeira, sofá, geladeira, sofá, geladeira, banheeeeeeiro… Ufa!

Quilos a mais, tédio a menos. E na dança da barriga que cresce, a sinfonia continuava: sofá, geladeira, sofá, geladeira, banheiro, quarto, sofá, geladeira.

Claro, durante todo este tempo, um celular na mão.

Uma reunião na sala, um happy-hour na cozinha, uma auditoria no quarto, um momento zen no banheiro.

E-mails respondidos, status publicado, fotos comentadas. Tudo corria bem.

Até que um dia, depois de um tour pelos cômodos e uma visita completa aos álbuns dos amigos no Instagram, bateu aquela sensação: “E agora?”

O tédio chegou chegando. Enfiou o pé na porta e gritou: “Daqui não saio, daqui ninguém me tira”.

Entediado, aborrecido, cansado. Excursões pela casa perderam o encanto. As redes sociais pareciam não trazer nada de novo. E as olheiras denunciavam meu desgosto.

Mas, eis que surge uma ideia. Certo dia, assim que acordo, tomo a decisão de pintar a casa. Novas cores, novos hábitos, reflexos renovados. Não há dúvidas: aquilo tornará meu isolamento social muito melhor.

Ah, ledo engano!

5 Comments

  1. Sueli

    at

    amei!

  2. Cleodete

    at

    Maravilhoso! Parabéns

  3. Yolanda Hollaender

    at

    Gostei muito da crônica. Tem sido o cotidiano de muita gente. O lado positivo desse afastamento social é que podemos olhar para dentro de nós mesmos e refletir sobre como estamos lidando com nosso tempo livre e pensar no que queremos para nossas vidas, depois desta fase de isolamento…

  4. Isabelle

    at

    Ameiiii!!!

  5. Isa

    at

    Perfeito 👏👏

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2020 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑