Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

Não se morre de amor

O homem apaixonado escrevia mais uma carta para a amada. Frases respingando sentimentos, caracteres fervilhando intensidades latejantes. As dores de cabeça que não passavam. A fome de sorrir que lhe fustigava a alma.

Uma carta. Uma singela carta. Começou e terminou assim:

“Doce amada, Lembre-se do seu valor, de como o mundo é melhor quando você está por perto. Não permita que certas palavras tirem isso de você. Sua respiração dá fôlego ao mundo. Inspire. Expire. A vida lhe agradece.

“Seu olhar carrega tanta luminosidade. Merece uma canção para que outros jamais esqueçam, assim como eu aprendi a não esquecer.

“Desconfie do coração – não se morre de amor. Não ouça músicas românticas e fuja de devaneios. A vida é feita de escolhas. E o amadurecimento, dos resultados do que escolhemos. A viagem no tempo não é possível. Não viva como se fosse.

“Este mundo é horrível, eu sei. Mas há tanta beleza nele que é impossível não se encantar. É o que sinto quando vejo seu sorriso enchendo o ar com tanta graça que a natureza parece inútil por instantes”.


Ao terminar a carta o homem olhou ao redor. Continuava sozinho. Repousou a caneta sobre a velha escrivaninha e decidiu inspirar e expirar.

A vida, mais uma vez gentil, lhe agradeceu.

2 Comments

  1. Rosangela Vieira da Silva

    at

    Parabéns! Lindo texto. Adorei. Fique com Deus. que sua inspiração flua cada dia mais. Daqui vibro Amor e Luz.

  2. Mallu Machado

    at

    Maravilhoso conto! Exprimi algumas de nossas necessidades atuais. As vezes, amamos sozinhos. O segredo e a dica é: inspirar e expirar.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2020 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑