Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

AUTOBIOGRAFIA

Nasci um gênio. E hoje sou um idiota.

Estive em sete países, mas não lembro quais são. Já me encontrei com Raul Seixas, e achei que fosse um sósia. Dormia de dia, escrevia a noite, e sonhava nas horas vagas. Já amei tantas vezes que esqueci a diferença entre um “oi” e um “eu te amo”.

Já levei dois socos, mas não caí com nenhum. Já ouvi “me perdoe” várias vezes, e em metade deles, duvidei da sinceridade de quem dizia. Já tive uma banda. Minha primeira música se chamava “A Domável Vítima da Ditadura”.

Já quis ser famoso. Já quis desaparecer e me esconder do mundo. Andei pela noite a procura de alguém, e na volta, sempre procurava por mim. Fiz boas ações. E muitas cagadas. Não me orgulho de ser, mas me orgulho de estar.

Ao escrever o título deste post, pesquisei no Google para ver se era “autobiografia” ou “auto-biografia”.

Nasci um gênio, e hoje sou um idiota.

Rosto vazio - autobiografia

6 Comments

  1. @sóeu

    at

    Magnífico!

  2. Vaquinha lolo

    at

    Amei! Está ótimo a crônica

  3. Jussara

    at

    Simplesmente amo suas crônicas Juliano!

  4. marcelo smith

    at

    Ninguém nasce gênio e se torna “burro”,talvez ele apenas esteje sendo um pouco severo com sigo mesmo
    por não ter consigo realizar algo que pretendia e ficou frustrado.

  5. Carlos Lobato

    at

    Juliano, mais um burro aqui deste lado.
    Temos sorte!
    Temos sorte, pois os burros sao inteligentes! Apenas irreverentes!
    Abraco

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2020 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑