Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

ESCREVER EM PRIMEIRA OU TERCEIRA PESSOA?

Que fatores devem ser considerados ao decidir entre escrever um livro em primeira ou terceira pessoa? Qual o melhor ponto de vista para um texto literário?

Na literatura, um ponto de vista é a perspectiva a partir da qual uma história é contada. O escritor pode escolher escrever seu livro sob uma de 3 perspectivas, a saber:

  • Primeira pessoa (“eu” e “nós”). Limita o leitor à perspectiva de apenas uma personagem. O objetivo deste ponto de vista é fazer com que a história soe de forma mais intensa e pessoal;
  • Terceira pessoa (“ele”, “ela” e “eles”). É o ponto de vista mais versátil e poderoso. Permite que você desenvolva um universo criativo mais amplo e completo. A terceira pessoa concede maior liberdade para o narrador.
  • Segunda pessoa (“você”). É pouquíssimo utilizado na literatura.

Diferentes pontos de vista - Primeira e terceira pessoaQual destes pontos de vista você vai escolher? Como escritor, você precisa responder esta pergunta de forma estratégica. Precisa compreender qual destes pontos de vista permitirá que você desenvolva suas personagens e sua história da forma mais eficiente possível.

Quando se observa a tendência entre novos autores, percebemos que a maioria prefere a primeira pessoa. Por que esta preferência? Muitos jovens escritores utilizam a narração em primeira pessoa por ser mais fácil de escrever, e por achar encantadora a ideia de suas histórias soarem de forma mais pessoal.

A terceira pessoa, por outro lado, foge deste atributo. Histórias narradas sob esta perspectiva são menos pessoais e apaixonadas. Isto concede à narração uma visão mais ampla e imparcial – um auxílio para descrever elementos mais discretos que a primeira pessoa desperceberia. Até mesmo para quem está escrevendo uma autobiografia, a possibilidade de usar a narração em terceira pessoa deve ser avaliada, no caso de desejar ampliar a visão sobre pessoas que interagem com o autor.

Ao escrever um livro em terceira pessoa, precisará definir se a perspectiva do narrador será onisciente ou limitada.

Se estiver tendo dificuldades em desenvolver uma história, considere alterar o ponto de vista do narrador. Em alguns casos, isto poderá fazer com que uma história “travada” se desenrole com incrível espontaneidade. Alguns jovens escritores torcem o nariz só de pensar na ideia de reescrever tudo o que já fizeram (talvez, um romance inteiro), alterando o ponto de vista. Para escritores profissionais, no entanto, isto faz naturalmente parte do ofício.

Pode parecer bastante incoerente, mas pessoalmente gosto de ler livros em primeira pessoa. Porém, ao escrever, prefiro a perspectiva da terceira pessoa.

E no seu caso? Você prefere ler e escrever sob que ponto de vista? Além disso, você acha que o mercado editorial prefere contos e romances escritos em primeira ou terceira pessoa?

Crédito Foto: Rob A. Johnston 

 

borda

Receba Novidades

Insira seu e-mail para ser notificado sobre novas postagens da Literatura Corrosiva!

Seu e-mail (obrigatório)

88 Comments

  1. Maria José dos Santos Ferreira

    20 novembro, 2012 at 18:39

    Olá Juliano, boa tarde.
    Estou lendo o texto todo e estou aprendendo e passando como incentivo seus texto.
    Quando publicarmo nosso livro do grupo sitarei de como foi importante para nosso aprendizado.
    Sucesso para você.
    Att. Maria José

    • Juliano Martinz

      24 novembro, 2012 at 20:00

      Sinto-me honrado com suas palavras, Maria José. Obrigado pelas visitas frequentes e pelos comentários de incentivo. Abraços!

      • Olá eu tenho uma dúvida e gostaria de saber se você pode me ajudar. Primeiramente obrigado pelo post, foi de grande ajuda e queria saber como diferenciar os pensamentos da minha personagem de suas falas. Eu sei que em um diálogo é necessário usar travessão, mas e quando a minha personagem fala e depois realiza alguma ação ou pensa alguma coisa? o que eu devo fazer para diferenciar e os meus leitores não achem que aquilo faz parte do seu diálogo?
        Agradeço desde já!

        • Juliano Martinz

          5 novembro, 2013 at 16:32

          Olá Rebecca,

          Há uma variedade de formas de pontuar os pensamentos das personagens. Você pode utilizar itálico ou colocar entre aspas. Destes dois, não prefiro nenhum. Assim, ao invés de escrever: “Quando viu o que tinha acontecido, ficou estarrecido e pensou: ‘Quero ver eu sair dessa?'”, tente algo como: “Quando viu o que tinha acontecido, ficou estarrecido. Quero ver eu sair dessa, pensou”.
          Pessoalmente, acredito que este recurso mantém os leitores dentro da narrativa.

          Obrigado pela visita!

          • Muito obrigada pela atenção e pela a ajuda! Adoro o seu blog e já indiquei a amigos… Seus posts são ótimos e de grande ajuda. O seu site foi o primeiro que eu visitei assim que decidi escrever um livro e realmente foi o que na minha opinião mais esclarece e ajuda os leitores. Mais uma vez obrigada!

        • Não quero ser intrometida,é só uma dica,quando ela estiver pensando em algo,depois de terminar a fala,VC escreve”pensou ela”ou”gritou ela,disse rindo,disse pondo o copo na mesa etc.só uma dica falou

      • Amigo eu estou em dúvida, vou fazer meu primeiro livro, mas alem de primeira e terceira pessoa, tenho muita dúvida de gênero, tipo ficção, e fantasia medieval, mas minha duvida no momento é; para uma história de pós apocalipse (mas nada de zumbis) eu queria saber se fica melhor primeira ou terceira pessoa? Vlws desde ja.

    • Luci Teixeira Biscaia

      3 março, 2014 at 04:02

      Maria José. Acho que você se equivocou: esse “sitarei” seria citarei. Acho muito importante zelarmos pela nossa tão difícil língua portuguesa. Sem contar que acho que foi erro de digitação “quando publicarmo”, que teria que ser publicarmos.

  2. Olá! Estou planejando escrever meu primeiro livro, e estou muito em dúvida do tipo de narração. A questão é que minha história começa com a personagem no presente, e depois ela volta ao passado para relembrar do primeiro amor. Achei que se eu começasse em terceira pessoa, daria mais sentido a história por estar no presente, mas por outro lado, queria escrever em primeira pessoa. Então optei por escrever em primeira e em terceira pessoa. Poderia começar em terceira, e a partir do momento que ela começasse relembrar, escreveria em primeira pessoa. Só que li algumas publicações que condenam essa misturada. Qual sua dica? Por favor, ajude-me.

    • Juliano Martinz

      3 março, 2013 at 21:17

      Erika,

      Escreva da melhor forma para desenvolver suas ideias. Textos escritos na “pessoa errada”, podem fazer com que nos sintamos travados, sem inspiração. Portanto, eu gostaria de ver como seu texto ficaria com essa mistura de primeira e terceira pessoa.

      Obrigado pela visita.

      Abraços

  3. Olá, Juliano!
    Foram bastante preciosos a dica e o incentivo dados por você na abertura dos aconselhamentos, estou com um projeto de escrever um livro e agora, diante do momento em que vivo, darei os primeiros passos para tal intento. Escrever meu livro, sem preconceitos de mim para mim mesmo! Volto a incomodá-lo para buscar mais dicas, ok?
    Grande abraço;

  4. Roberto Magnani

    3 março, 2013 at 19:22

    Olá Juliano, gostei muito da clareza com que expõe seus textos e orientações.
    Já algum tempo tenho ensaiado colocar no papel algumas memórias.
    Acredito que tenho diversas passagens interessantes na linha do tragi-cômico, um pouco de comédia de costumes. As passagens teriam um toque de sarcasmo, imagino um filme de Wood Alen.
    Claro que existem diversos personagens mas poucos estarão do início ao fim.
    Tenho 30 paginas rascunhadas na 1ª pessoa e estou achando o texto um pouco enfadonho, monofônico. Você acha que para este estilo de texto ficaria melhor a terceira pessoa?
    Um abraço e mais uma vez parabens.
    Roberto

    • Juliano Martinz

      3 março, 2013 at 21:21

      Olá Roberto

      Se o texto se concentra em apenas uma personagem, sendo que outras são poucos exploradas, acho que a primeira pessoa seria mais interessante. Se fizer uma abordagem mais intensa de outras personagens, a terceira pessoa será mais indicada. No entanto, pessoalmente, acredito que textos com apelos tragicômicos são melhores desenvolvidos em terceira pessoa.

      Obrigado pela visita e pelos elogios.

      Abraços

  5. Olá, excelentes dicas
    estou escrevendo uma fanfic que é uma sequência de um jogo (do meu personagem na verdade), porém uma das minhas grandes dúvidas é se se adequa mais uma narrativa em primeira pessoa ou em terceira pessoa.
    de fato pensei que a primeira pessoa poderia dar um ponto de vista mais pessoal do meu personagem e permitir uma visão de mundo mais focada nele, potrém o universo do jogo é extenso demais, algo que envolve nações inteiras e toda uma mitologia, e esbarrei na dificuldade de consguir explorar pelo menos os pontos mais importantes de todo aquele universo.
    Você acha que nessae caso se ecaixaria emlhor uma terceira pessoa? ou é possivel explorar o universo como um todo mesmo na primeira pessoa.

    • Juliano Martinz

      9 março, 2013 at 09:38

      Levando em consideração o quão amplo é o universo que você pretende descrever neste livro, acredito que a terceira pessoa seja ideal.

      Obrigado pela visita.

  6. Erick França

    8 abril, 2013 at 23:08

    Eu escrevi meu primeiro livro em primeira pessoa, mas achei que ira ficar melhor em terceira, pois eu poderia explorar mais o universo de meu livro. Adorei seu Blog parabéns, eu também tenho um, mas não esta mais ativo. XX (abraços)

  7. oi.eu amei suas dicas , tenho 14 anos e já escrevi 4 livros(o primeiro com 12 anos)de ficção! queria saber porque não consigo escrever nada que tem haver com o cotidiano das pessoas na forma de um livro!

    • Juliano Martinz

      21 abril, 2013 at 20:54

      Qual o enredo dos livros que escreveu até o momento? E de forma específica, o que está incluído no “cotidiano das pessoas” que você não consegue abordar?

  8. Ola, cumprimentos pelas ótimas dicas de como escrever bem. Tenho um livro iniciado há dois anos, mais ou menos, cinquenta páginas escritas (é uma narrativa sobre viagem turística, que se equipara a um passeio romântico).
    Preciso encontrar forças para continuar

    Um grande abraço

  9. Jonathan de Souza

    7 maio, 2013 at 12:22

    Tenho um livro pronto, só falta edita-lo, e me encontro no meio, pois é uma alto biografia.
    Do que tenho vivido dentre estes 7 meses de um relacionamento com a mãe da prima do meu filho mais novo, está meio desordenado os fatos , queria uma dica de como organiza-los.
    Obrigado.

  10. A. L. Jackson

    22 junho, 2013 at 18:46

    Olá juliano, boa noite.
    Bom, estou escrevendo um épico e tenho que admitir que não é nada
    fácil criar um mundo tão vasto como os da era medieval.
    Mas me dedico a cada pedra que ponho no caminho até formar a estrada
    para o meu mundo.
    Fico feliz por saber que há
    pessoas como você que incentivam tanto o ato de escrever quanto de ler.
    Parabéns pelo post.
    Sucesso para você.

  11. Juliano, li sua matéria e achei bem interessante e informativa, mas eu tenho uma dúvida: estou escrevendo um livro(na verdade já estou quase no fim) e o estilo da narrativa, primeiramente era em terceira pessoa, mas em alguns capítulos eu mudei a perspectiva para primeira pessoa pra poder mostrar aos leitores o ponto de vista de vários personagens, e o jeito deles de contar sua história e como eles se sentem. Minha pergunta e a seguinte: eu posso seguir esse tipo de escrita?

  12. Em meu terceiro livro, escrevo em terceira pessoa. Para mim é muito mais fácil.

  13. Patricia dos santos diads

    7 julho, 2013 at 18:37

    oi, adorei suas dicas, eu sei que tenho muito que aprender mas não me falta inspiração tenho varias ideias e nesse momento eu estou usado uma dessas ideias para um romance. por não ter experiencia eu gostaria muito de uma segunda opinião. se você poder me ajudar eu agradeceria.

  14. Eu gostaria de saber se, ao escrever um livro, posso alternar entre primeira e terceira pessoa, como por exemplo: estou escrevendo, João conheceu Maria; aí eu escrevo o diálogo: João: Oi; Maria: Oi; – João ficou muito nervoso…

    Mais ou menos assim, pode-se fazer isso em livros?

    • Juliano Martinz

      10 julho, 2013 at 19:35

      Olá Rafael, obrigado pela interação. Pelo que entendi, por PRIMEIRA PESSOA você se refere às falas dos personagens. É isso mesmo? Se for, não há qualquer problema. Isso é perfeitamente normal. Abraços!

  15. Oi , gostei muito das suas dicas,elas estão sendo muito úteis pra mim,só tenho uma dúvida,as pessoas vivem me dizendo que livros em primeira pessoa são muito limitados,que não dá pra ver a perspectiva de outros lugares e personagens,mas as vezes eu confundo as minhas narrativas entre primeira ou terceira pessoa. Você tem alguma ideia do que eu posso fazer?Atenciosamente,Sofia.

    • Juliano Martinz

      15 julho, 2013 at 16:14

      Olá Sofia. Você precisa definir o quão importante são as perspectivas de outros lugares e personagens. Se o que eles pensam, se o que acontece fora do âmbito da personagem principal for interessante, então a terceira pessoa é muito mais indicada. Pelo que você mencionou, sobre confundir as narrativas entre primeira e terceira pessoa, acredito que suas histórias como que “pedem” a narração em terceira pessoa. Neste caso, não insista em usar a primeira pessoa. O que você pode fazer, é utilizar alguns capítulos específicos para fazer uma narração em primeira pessoa, se isso for especialmente interesse. Obrigado pela visita.

  16. boa noite Juliano, gostaria de saber o seguinte, estou escrevendo um livro sobre minha história, posso intercalar o texto usando a primeira pessoa e em seguida narrar acontecimentos com a terceira, como se eu estivesse falando ASSIM ; ALMIR MOROU EM TAL LUGAR ETC ? obrigado , abraços.

  17. obrigada peelas dicas, sei que sou jovem (tenho 15 anos), mas resolvi ser escritora, sei que é difícil e estou começando a fazer um livro para me ajudar a seguir o que sempre quis ser. Adorei seu site! Ótimas dicas.
    Ah! prefiro escrever em terceira pessoa mas prefiro ler em primeira pessoa também. :)

  18. Boa noite Juliano.
    Comecei a escrever uma estória há mais de 10 anos e até hoje não consigo terminar (detalhe, eu só tenho 22 anos!). rsrs
    Tenho dificuldade em 3 coisas:
    1º Tipo de Narrador: Nesse ponto você já me auxiliou nesse post;
    2º Fala dos Personagens: Se deixar o texto fica todo mais ou menos assim: “Ela disse blábláblá e fulano disse blábláblá”. E quando paro para separar a fala para cada personagem, dessa forma: “E assim fulano disse: (pula linha) – Blá… (pula linha)” parece que o raciocínio se esvai! Existe alguma explicação?
    3º Se o que estou fazendo é uma história ou um conto, sei que a diferença principal é no tamanho do texto mas, existe alguma “técnica” para saber para qual desses lados o meu está pendendo?
    Obrigada pela atenção.

    • Juliano Martinz

      19 setembro, 2013 at 14:36

      Oi Angelina, o recurso de usar parágrafo e travessão para compor diálogos torna a leitura mais leve e intensa. Também ajuda a dissipar a preguiça do leitor de ler mais um capítulo. Mas isto não significa que você usará este recurso o tempo todo. Tente alternar, para não deixar as páginas muito carregadas.
      Obrigado pela visita!

  19. Olá Juliano!
    Estou com uma dúvida e não acho a resposta em lugar algum, espero que você possa me ajudar.
    Comecei escrevendo um livro em primeira pessoa, isso foi até o segundo capítulo, a partir do terceiro passei para terceira pessoa, quando me dei conta do que tinha feito já estava no 10º capítulo.
    Eu gostaria de saber se não há um meio de deixar como está, esses dias li um livro onde o autor conseguia usar primeira e terceira pessoa.
    Eu gostei do livro como está, só que não sei se é muito certo deixar dessa maneira.
    Aguardo resposta.
    Boa noite.

    • Juliano Martinz

      22 setembro, 2013 at 20:18

      O importante é que você estabeleça um porquê para esta mudança. Por exemplo, há um livro de Agatha Christie, em que ela faz dois tipos de narração: em primeira pessoa, narrando os passos do assassino ao trilhar seus crimes, e em terceira pessoa, ao descrever a investigação. Se há uma razão lógica para esta mudança, eu não vejo problemas. É o seu caso?

      Obrigado pela visita!

  20. Precisa pular linha antes e depois de uma fala de personagem?

    ex:
    Catarina encontrou uma bola no chão e disse:

    – Que bola legal!

    Ao pensar que não havia dono, pegou a bola e foi para sua casa para brincar com suas
    amigas.
    Chegando lá, mostrou a bola para suas amiguinhas e foram brincar.

    • Juliano Martinz

      22 setembro, 2013 at 20:22

      Olá Talita

      A maioria dos textos preparados para editoras são escritos em espaço 1,5. Você não precisa dar um espaço “adicional” antes ou depois da fala de uma personagem.

      Obrigado pela visita!

  21. Boa noite Juliano!
    Então, a mudança ocorreu porque no início a personagem principal estava narrando sua vida, logo depois houve um acontecimento, ainda com ela descrevendo. No terceiro capítulo mudou de cena, e com isso a história foi para terceira pessoa e assim seguiu até então.

  22. Bom dia!

    Muito legal este espaço,tirei bastante dúvidas…..
    Pretendo escrever um livro,estou na fase da pesquisa de buscas de respostas, de dúvidas (marinheira de primeira viagem) Enfim… estou insegura…..

    Pergunto:Quero falar sobre a infância de uma determinada pessoa,mais também quero falar sobre sua vida adulta,velhice e falecimento.posso escrever em apenas um livro separando por partes? exemplo 1ª parte,2ª parte 3ª parte etc…..?,
    aguardo ansiosamente seu retorno!

    abraços!

    • Juliano Martinz

      14 outubro, 2013 at 16:45

      Olá Suziane,

      Pelo que entendi, você quer dedicar uma parte à cada fase da personagem, é isso? Esta é uma forma bastante utilizada por alguns escritores para manter seus textos bem organizados. Se esta era sua dúvida, pode separar as fases por partes, sim.

      Abraços!

  23. Olá Juliano.

    Tenho 17 anos e resolvi começar a escrever um romance medieval, tenho muitissimas ideias para acrescentar no meu universo, mas a escolha de narrativa me deixa enlouquecido. Algumas ideias sao melhor expressadas em terceira pessoa, e outras em primeira, alternar deixaria tudo muito confuso.

    Eu gostaria de saber quais fatores considerar para a escolha nesse caso.

    • Juliano Martinz

      24 outubro, 2013 at 00:55

      Olá Felipe

      Acredito que o universo “medieval” exija uma visão mais ampla do escritor, e neste aspecto, a primeira pessoa traria algumas limitações. Acredito que este tipo de romance ganhe uma intensidade maior na terceira pessoa.

      Abraços

  24. Incrível. Tudo o que eu queria saber em um único lugar e post. Obrigada!

  25. Olá, Boa noite, adorei as dicas.
    Em relação ao conto literário, Pode se começar desenvolvendo uma historia e somente no final mostrar para o leitor que era apenas a leitura de um diário?

  26. Olá Juliano, ainda estou em duvida sobre se vou usar primeira ou terceira pessoa. A minha historia envolve um romance entre 2 personagens, mais é uma historia de ficção e esses personagens ficam muito separados na historia, e ainda mais, a outros personagens importantes na historia que estão envolvidos em situações empolgantes e quero que sejas escritas. Mais por outro lado também quero retratar a emoção do protagonista. O que eu faço?

    • Juliano Martinz

      2 dezembro, 2013 at 19:58

      Olá Wallace,

      A narração em primeira pessoa lhe permitirá, neste caso, descrever com maiores detalhes apenas os sentimentos do protagonista. Pelo que entendi, existe muito do universo das demais personagens que você gostaria de explorar. Portanto, sugiro que você utilize a narração em terceira pessoa.

      Abraços

  27. Olá Juliano, seu site é uma maravilha, muito obrigada por nos disponibilizar preciosas dicas!
    Gostaria que você me tirasse uma dúvida…
    Estou escrevendo o meu primeiro livro, o gênero é drama.
    A protagonista é de um jovem que narra como é estar entre a vida e a morte, e após sobreviver ensina lições, mostra os seus sonhos de morar em outro país, etc. Estou super em dúvida, se escrevo em 1a pessoa ou 3a pessoa… Por favor, me dá uma força!!! Thanks!!!!! (OBS. é minha auto biografia)

    • Juliano Martinz

      3 dezembro, 2013 at 16:48

      Olá Clarissa

      Isto dependerá do quanto dos seus sentimentos você quer que os leitores percebam. Se preferir uma narrativa, digamos, mais fria e concentrada nos fatos, poderá utilizar a terceira pessoa (especialmente, se preferir que os leitores não saibam que se trata de uma autobiografia). Se desejar se expressar com bastante sentimento sobre as coisas que ocorreram, a primeira pessoa terá um efeito bem melhor. Como se trata de uma autobiografia, o uso da primeira pessoa se torna praticamente obrigatório, salvo raras exceções, como a que mencionei.

      Muito obrigado pela visita!

      Abraços

  28. Adorei as dicas. Dos oito livros que escrevi, 5 são em terceira pessoa. Quando comecei a escrever em primeira pessoa, não consegui mais escrever em terceira. E como leitora, ultimamente estou preferindo ler em primeira também. Parabéns pelo texto. Abraços!!!

  29. Philipp Scharzzer J.

    13 dezembro, 2013 at 17:27

    Boa noite juliano!!!
    Olha eu estou com uma duvida cruel eu pretendo escrever um livro de fantasia,ficcao mais eu nao sei se escrevo na 1,2 ou 3 pessoa,e tambem nao faco a menor ideia de como comecar,me der algumas dicas ai.Obrigado desde ja.

  30. Olá Juliano!

    Estou escrevendo um romance, intitulado O DIÁRIO DO PÔR DO SOL. esse título veio à cabeça de repente e eu logo me apaixonei. Dias depois sonhei com dois jovens correndo de mãos dadas na beira da praia fugindo feito dois loucos, sem nenhuma explicação… comecei, então, levantar algumas hipóteses sobre a “possível fuga” e já estou amarrando muitas coisas, me sentindo um Agnaldo Silva. kkkkk. Mas, me dá uma dica meu amigo, você acha que para impactar mesmo é preferível uma escrita em primeira ou terceira pessoa?

    Podemos continuar nos comunicando?

    • Juliano Martinz

      18 dezembro, 2013 at 17:42

      Nivaldo,

      Também gostei do título. Acho que deve utilizá-lo. Quanto à sua pergunta, “impacto” é mais fácil de ser conseguido utilizando a terceira pessoa, já que oferece uma visão mais abrangente. Embora muitos discordem, tecnicamente, a terceira pessoa é mais difícil de escrever, exatamente por oferecer recursos muito mais poderosos. Para impactar, prefira a terceira pessoa.

      Abraços

  31. Vítor Hugo Guariento

    21 janeiro, 2014 at 16:09

    Olá Juliano! Boa Tarde. Andei vendo suas dicas por um tempo antes de entrar no universo das histórias; e decidi criar uma sobre a Segunda Guerra Mundial, em que o nazismo vencera a Guerra. Ela se passa nos dias atuais e as óticas utilizadas, em especial é a do Ministro das Relações Exteriores do Reich; outros personagens também aparecerem, e cada um tem seus capítulos em primeira pessoa, já que achei melhor utilizá-lo pelo impacto emocional que se pode conseguir com esta narração. A trama se divide em quatro locais; Estados Unidos, Monarquia do Irã, Reich e rapidamente no Brasil. A questão é; seria possível mesclar em determinados momentos a primeira e a terceira pessoa? Ou teria que escolher entre a imensidão e os detalhes do universo da história as emoções das pessoas? E outra, os personagens, por ser em primeira pessoa, sempre botam o seu ponto de vista sobre determinada conversa, acontecimento ou pessoa. Quando sei que estou abusando demais desta questão de sempre colocar interpretação deles (no caso, a do personagem-narrador) nas ações?.

    Obrigado e continue auxiliando! rsrs
    Vítor Hugo Guariento

  32. Olá.

    Gostei muito desse site… e tenho uma dúvida. Uma história em terceira pessoa necessita ser escrita no passado? ou posso escrever os acontecimentos no presente?

    • Juliano Martinz

      5 maio, 2014 at 12:12

      Neto,

      Não existe regra alguma que impeça a expressão de sua criatividade. Os acontecimentos podem ser narrados em terceira pessoa e no presente.

      Abraços

  33. Gostaria de escrever uma estória sobre o início da colonização de São Paulo, e teriam diálogos entre indios e portugueses. Devo usar o vocabulário e a forma de falar da época? Posso usar uma forma de diálogo em linguagem atual? Não tenho como saber como eles falavam na época. Como fazer um diálogo da forma mais fácil?

  34. Juliano seria erado se meu livro começa-se em terceira pessoa e depois passa-se a ser escrito em primeira pessoa ?

    • Juliano Martinz

      18 maio, 2014 at 14:15

      Laís, só use este recurso se for muito necessário. De modo geral, variações entre pontos de vista em uma narrativa costumam deixar a obra confusa. Abraços.

  35. oi, adorei o site. Tem algum problema escrever a historia voltada a um personagem, mas em certos dois capítulos apenas mudar para outro? Estou em dúvida quanto a isso. Estou escrevendo um livro na terceira pessoa, o que eu queria saber é se as pessoas gostam de livros de romance, drama narrado na terceira pessoa, pois eu estou em duvida com isso, é o meu primeiro livro, mas eu particularmente prefiro ler os que são na terceira pessoa, mas acho que faço parte da minoria. Outra coisa, por ser primeiro livro e meu nome não ser reconhecido por quase ninguém como eu conseguiria patrocínio para a publicação dele?

  36. Orlando Alves Ribeiro

    16 junho, 2014 at 23:37

    Terminei o curso de História em 2007, licenciatura plena. Me formei professor dessa disciplina. Quando terminei esse curso eu estava com 60 anos de idade. Como sou filho de um Tropeiro do Sul do País, orientado por uma professora de História. O meu (TCC), TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. escrevi sobre a vida do meu pai. Para isso, eu li nada mais nada menos que 13 livros relacionados a origem e a trajetória do tropeirismo para pesquisar o assunto. DETALHE! eu não pretendia falar do tropeirismo em si, mas eu queria falar da vida pessoal do meu pai, desde o nascimento, quando criança, quais eram suas atividades, como brincadeiras, sua adolescência, jovem, adulto, quando se casou, com quem se casou e como foi a constituição de uma família, como começou e finalmente como saiu dessa atividade. Bem, esse trabalho foi concluído com 52 páginas. Meu objetivo. Quero ampliar esse trabalho o transformá-lo em um livro, pois tenho muito mais assunto da mesma natureza para isso. Gostaria de saber se isso será possível. Atenciosamente: Orlando Alves Ribeiro. Foz do Iguaçu, 17 de junho de 2014. Abraço.

  37. Olá, Juliano! Boa noite!
    Aprecio muito as dicas do seu blog, que para mim, uma pessoa que tenciona ser uma ‘nova escritora’, são de extremo valor. Se um dia atingir ao menos o status de ‘nova escritora’, parte disso será sua responsabilidade!
    Mas, por favor, me tire uma dúvida. Venho tendo muitas dificuldades. Gostaria de sua opinião… Minha personagem principal possui distúrbios psicológicos. Então, pensei em usar todo o livro em primeira pessoa, para que aos poucos o leitor pudesse discernir o que é real e o que é distorcido pela mentalidade dela. Acontece que estou temendo que justamente este ponto de vista estrague isto… E que nem eu possa diferenciar uma coisa de outra! Tem alguma dica sobre como posso fazer isso?
    Além disso, tenho problemas em mudar de ambiente :/ Em todos os livros que li na vida, isso só parece fluir. Não é fácil escrever, realmente. Será que você poderia me ajudar nessas duas questões? Por favor? Obrigada!

  38. Olá, Juliano! Boa noite!
    Aprecio muito as dicas do seu blog, que para mim, uma pessoa que tenciona ser uma ‘nova escritora’, são de extremo valor. Se um dia atingir ao menos o status de ‘nova escritora’, parte disso será sua responsabilidade!
    Mas, por favor, me tire uma dúvida. Venho tendo muitas dificuldades. Gostaria de sua opinião… Minha personagem principal possui distúrbios psicológicos. Então, pensei em usar todo o livro em primeira pessoa, para que aos poucos o leitor pudesse discernir o que é real e o que é distorcido pela mentalidade dela. Acontece que estou temendo que justamente este ponto de vista estrague isto… E que nem eu possa diferenciar uma coisa de outra! Tem alguma dica sobre como posso fazer isso?
    Além disso, tenho problemas em mudar de ambiente :/ Em todos os livros que li na vida, isso só parece fluir. Não é fácil escrever, realmente. Será que você poderia me ajudar nessas duas questões? Por favor? Obrigada!

  39. na verdade tenho a mesma opinião que você, me agrada bastante os livros em primeira pessoa, e escrevo em terceira, no entanto, por me questionar minha postura como escritor passei a pesquisar sobre qual seria a melhor opção na verdade não há uma opção melhor que a outra, porque as duas permite a mesma coisa, relatar uma historia, no entanto a sensação como leitor é que textos em primeira é mais emocionante por permitir que conhecemos seus escritores ou seus personagens com maior profundidade, porque é em primeira pessoas. a sensação é como se estivéssimos na pele do personagem, no entanto em terceira não tem esta impressão, salvo em alguns casos que a estrutura narrativa mescla entre descrições e falas dos personagens, dessa forma podemos nao estava vendo pelos olhos dos personagens central, mas como um espectador, que tambem poderia ser um personagem, mesmo que nao tenha um nome propriamente dito ou um corpo fisico, mas simplesmente um ponto de vista como voce referiu no texto acima. de qualquer forma, mesmo utilizando a terceira pessoa para escrever, ainda acredito que esta faltando alguma coisa em meus textos e espero achar porque muitas vezes meus textos que se mostre bom a primeira vista ou a primeira leitura, ele ainda nao esta como eu realmente desejo. o texto para ser bom ele tem que se aproximar a realidade como Rumbem Fonseca o faz com maestria, como Rubem Braga, Fernando Sabino, Oscar Wilde entre outros que gosto tanto.
    http://fragmentoscontemporaneos.tk
    http://portalmultifoco.tk
    @ns_rafael

  40. Olá.
    Estou amando suas dicas!
    Estou trabalhando em um projeto também, mas tenho umas dificuldades vencer: estou sem computador, por exemplo (tenho que escrever pelo celular); Estou escrevendo sob pseudônimo (ou devo dizer ESTAMOS? – isso mesmo, estou trabalhando em equipe, e, na minha opinião, isso dificulta muito).
    E para piorar: sou mais fluente na escrita no tempo passado, tanto em terceiro pessoa quanto em primeira. Mas meu livro vai se passar em tempo presente.
    Por quê? Não sei! Foi decidido isso. Mas está sendo um jeito interessante para escrever. Estou gostando.

    Obrigado pelas dicas! :D

    p.s.: como escrever em equipe? Dicas?

  41. Oi, estava lendo sobre as formas de narrativa. Prefiro escrever em primeira pessoa,mas eu tive uma grande dúvida e gostaria de saber se você pode me ajuda.. Como faço a descrição do personagem principal em primeira pessoa?
    qualquer coisa meu email é: jessicanaty18@gmail.com
    Aguardo resposta. Obrigada.

  42. Estou amando seus artigos, está me ajudando muito.

    Particularmente, prefiro ler em terceira pessoa e escrever em terceira pessoa, pois acho que na hora de escrever mistérios e enigmas fica mais fácil.

  43. Oii
    eu tenho o uma duvida de como passar um texto de narrador de primeira pessoa para terceira pessoa do onsiciente
    obrigado para qum conseguir me ajudar texto a outra noite
    urgente

  44. Ola, bacana a discussão. Sua opinião:
    Estou escrevendo em primeira, mas como quero explorar o universo e sensações de outros personagens, especialmente quando está interagindo com o principal, eu simplesmente alterno para ele, esclarecendo que é um pensamento do outro personagem. Ainda assim estou achando confuso. Melhor migrar para terceira pessoa?

  45. Robinson Vasconcelos Meira

    10 novembro, 2014 at 16:01

    Olá, boa tarde! Preciso esclarecer uma dúvida: quero escrever sobre minha vida, mas abordarei sobre acontecimentos que terei que citar outras pessoas, qual a melhor maneira? Posso eu mesmo contar minha história, “é obvio”, narrando como se fosse outro personagem, ou uma auto-biografia é melhor em primeira pessoa?

  46. Olá!
    Bem, tenho 12 anos e assim jovem sou bastante elogiada por ter uma ótima escrita. Em uma das minhas diversas ideias de ‘fanfic’, destacou-se uma que disseram-me que seria um livro perfeito e diante de tantas motivações, peguei a vontade de escrever um livro. Muitos garantiram que a ideia é maravilhosa e que se eu publicasse o livro, faria sucesso. Como sou um bocado criativa, não tenho muita dificuldade pra iniciar uma história, porém às vezes bate aquela dúvida… Primeira ou terceira pessoa? Nesse tempo de escritora de ‘fanfic’, prefiro usar sempre a terceira pessoa (apesar de várias serem na primeira pessoa), porque vou um pouco mal na primeira e acabo escrevendo não tão bem e na terceira consigo me expressar melhor. Todas minhas histórias são sobre romance e bem, eu só utilizo casais gays, pois me inspiram mais. Meu livro, obviamente, será um romance gay, e ao contrário de como muitos pensam, pra história ser boa, não precisa ter um casal hétero. Eu realmente amei a minha ideia e também acho que virará um ótimo livro. Queria saber se devo usar terceira pessoa pra escrever o livro, igual às minhas ‘fanfics’. Sei que pra responder minha pergunta precisa saber a ideia, porém não me sinto confortável contando à qualquer um, pois tenho medo de pegarem e escreverem antes de mim. Mas os personagens são inspirados em Louis e Harry da ‘One Direction’, Harry é um robô e Louis um estudante que deverá terminar as ‘programações’ de Harry, que não foram concluidas por seu dono. É só isso, espero que me responda. Beijos!

  47. Excelente site, tirou muitas dúvidas que eu tinha mas gostaria de saber, Juliano, no caso de eu narrar em terceira pessoa, como não detalhar demais as outras personagens, que também são muito interessantes, e perder o foco na história sobre uma pessoa?

    Por exemplo, numa história sobre o Beto:

    “Beto tinha uma personalidade forte e não guardava emoções no forro da sua paciência. Sua face se contorcia quando havia algo impossível de dizer. Já a Beatriz, de olhos verdes água, afogados em tristeza, compensava-os com sua boca vermelha, impossível de humildades… blá blá blá ”

    Tendo Beatriz com a musa inspiradora numa só parte da vida do Beto, assim como outras meninas e pessoas, como não correr o risco de detalhá-las demais e tornar o Beto menos interessante?

    Muito obrigado.

  48. Alexandre Marques

    9 julho, 2015 at 14:21

    Olá Juliano,

    Conheci seu blog hoje e estou gostando bastante. Estou com um problema de principiante rs. Acabei de escrever um livro baseado em fatos reais. O livro é narrado em 2a. pessoa (o narrador fala com o leitor), até aí tudo tranquilo. O problema é que algumas passagens o personagem principal – narrador – não participa e, portanto, ele não pode saber o que aconteceu. Optei inicialmente em usar nesses casos um narrador onisciente em 3a. pessoa (tipo flashback). Os fatos vão sendo descritos no momento em que o personagem principal encontra uma das pessoas que participou da ação. Contratei um profissional para fazer a leitura crítica e ele condenou o meu método. Então fiz uma mudança teste trocando o narrador onisciente por um dos participantes da ação narrando em 1a. pessoa. Ele também não gostou alegando que ficou muito rico em detalhes – já tinha quando a narrativa era em 3a. – e ninguém conta uma história tão detalhada.
    Enfim, estou perdido rsrsrs
    Você tem alguma sugestão? Consegui passar o problema de forma clara?
    Desde já te agradeço pelo espaço,

    Abs

    Alexandre Marques

  49. Olá, tudo bem!
    Gostei do artigo, pois tirou uma dúvida que cucava na minha cabeça e me deixava percuciente alguns noites!

    Sou novo escritor, estou escrevendo um livro ficção romance já faz um ano… Acho que já estou nos 30.000 caracteres que dá aproximadamente 7 capítulos.

    Mas ultimamente estou sem idéia pra continuar a escrever.

    O que você recomenda para alguém como eu?

  50. Bem juliano, comecei a escrever um livro mais ou menos assim: la estava eu andando naquela rua escura e vazia quando de repente… o personagem principal conta a historia conforme os acontecimento como se fosse um diário. porem quero relatar acontecimentos com outros personagens e não sei como fazer, pois comecei narrando em primeira pessoa. A minha personagem é muito forte envolvente. O que faço pra que possa conciliar a narração em primeira e terceira?
    Obrigada suas dicas tem ajudado muita gente

  51. Jessé Figueira

    17 agosto, 2015 at 19:57

    Estou escrevendo um livro de ficção, mas estou com uma grande duvida em relação a escolha o tempo da historia. Já decidi escrever na primeira pessoa, porem agora estou em duvida se escrevo:
    ” fecho um pouco meus olhos e imagino o pior, mas de forma milagrosa a poltrona diminui a velocidade antes de atingi-la. ”

    Ou

    ” fechei um pouco meus olhos e imaginei o pior, mas de forma milagrosa a poltrona diminuiu a velocidade antes de atingi-la”

  52. Estou começando a escrever um livro sobre a história do meu namoro e não sabia se escrevia em primeira ou terceira pessoa, já me decidi, vou escrever em primeira pessoa, vai ficar muito bom, obrigado pelas dicas.

  53. Bom o blog e otimo ate os comentários esclareceram algumas duvidas muitas na verdade sempre gostei muito de ler e escrever e sempre tive muita criatividade aparecem historias principalmemte na hora do banho rsrs mas nunca coloquei nada no papel e gracas a vc descobri hoje que isso se chama procrastinação entao resolvi colocar num papel mas essa perspectiva eu nao to conseguindo assimilar no meu cabeção to pesquisando mas aprendendo mas mas se vc puder me ajudar mas um pouco com esse assunto ficarei muito grata parabens pela sua iniciativa e de grande ajuda Deus abencoe …

  54. Bom dia.
    Sempre que eu tenho alguma ideia que não consigo encaixar neste livro eu anoto em um caderno. Com essas idéias eu consegui escrever um outro livro, também de ficção. Na sua opinião, você acha “saudável” escrever dois livros ao mesmo tempo? Em que isso pode me ajudar ou prejudicar?

  55. Edleusa Tavares

    17 fevereiro, 2016 at 13:27

    Olá Juliano, antes de mais nada, quero dizer a você de novo, muita gratidão por compartilhar dicas tão preciosas, que na verdade, são ensinamentos literários. Sou escritora, como disse antes, e como tenho aprendido com esse blog o qual descobri hoje e lendo tudo isso, já pude vislumbrar grande diferença nos meus livros, que farei um por um nova leitura, com esse olhar que aprendi contigo.
    Eu particularmente gosto de escrever na terceira pessoa, me sinto mais livre.
    De hoje em diante vou andar com bloco de notas, achei interessante essa dica, perco muitas coisas, porque minha mente não consegue guardar tudo.

  56. Desde pequena sempre amei escrever na primeira pessoa mas não por medo da terceira, mas porque não sabia como. Após várias leituras fui tomando consciência de como era escrever em terceira pessoa e acabei preferindo este método. Não sei porque, mas quando escrevo deste modo me sinto poderosa como se eu controlasse meu próprio mundo.

  57. Quando comecei a escrever, eu só utilizava a primeira pessoa, com o tempo fui tentando escrever em terceira e após muitos tropeços, acho que consegui me afeiçoar a escrever em terceira pessoa também. Hoje em dia, tenho mais dificuldade em escrever em primeira do que em terceira.

  58. Como conseguir um patrocínio para publicação do livro? Há Editora que analisa e publica (SE GOSTAR)?
    Estou no quinto livro, sempre tive criatividade para criar histórias, contava quando meus filhos eram pequenos, cada dia uma história nova, ela me vinham/vêem a mente, como se eu fosse um daqueles personagens, comecei a escrever, primeiro sobre meus traumas, depois…. tantas histórias que parecem vividas e sopradas ao meu ouvido. As vezes paro pra pensar, se eles estão apenas me contanto ou minha mente está criando. Bom, não importa, só preciso que muitos conheçam.

  59. Allê Santoss

    1 outubro, 2016 at 03:38

    Olá, Juliano Martinz! Como você está? Espero que esteja muito bem… Vamos lá. Eu escrevi meu primeiro projeto literário na primeira pessoa e eu particularmente o amava, porém o perdi! – Triste acontecimento. Mas, aí superei e, então, passei fazer outro romance também na primeira pessoa, porém eu estava acostumado a ler clássicos russos e a maioria que li, estavam escritos na terceira pessoa e isso muito me encantava, uma vez que, eles descreviam de forma ampla e ao mesmo tempo tão estreita o que o personagem tentava mostrar isso de forma tão singela e tão perturbadora que me fascinava durante a leitura e hoje não é diferente. Pois bem, então migrei meu terceiro projeto – que ainda está está em processo de construção – para a terceira pessoa e até então estou gostando do resultado!

    Mais uma coisa, sou novo por aqui e estou amando a sua dedicação em transferir seus conhecimentos para pessoas que assim como você, amam escrever e deleitar-se sobre livros! Enfim, muito e muito sucesso!

    Forte Abraço!

  60. Ola, achei interessante suas dicas de como escrever. Sou amadora, mas amo escrever. E tenho uma dúvida.
    É possível escrever em primeira e terceira pessoa dentro da mesma estória?

    • Juliano Martinz

      6 dezembro, 2016 at 18:17

      Olá Elenize,
      Alguns autores já utilizaram este recurso. No entanto, por uma questão de clareza, seria mais interessante distribuir diferentes pontos de vista em diferentes capítulos. Por exemplo, capítulo 1 em primeira pessoa. Capítulo 2 em terceira. E assim por diante. Abraços

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑