Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

Como Expressar Pensamentos de Personagens

Os pensamentos das personagens retumbam no papel com tamanho vigor que são capazes de envolver cada um dos seus atentos leitores. Um fluxo de pensamentos avassaladores, regurgitamento de tensas inquietações – não há segmento da narrativa que possa exprimir tamanha intensidade das personagens quanto a descrição de seus pensamentos. No entanto, sua importância é exatamente proporcional à sua dificuldade em compô-la.

Autores de literatura precisam dominar esta arte e criar pensamentos intensos para suas personagens, pois este é um dos elementos mais poderosos para envolver seus leitores. Mas como fazer isso? E como expressar os pensamentos de uma maneira eficaz nas páginas de um livro?

Reconheça o Vigor dos Pensamentos

Como expressar pensamentos de personagensJovens escritores costumam encarar os pensamentos de suas personagens como características chatas e entediantes da narrativa. Não se engane. Este tipo de conceito só lhe aponta uma direção sombria: o empobrecimento dos seus textos.

Uma narrativa interessante precisa estar alicerçada sobre o equilíbrio de bons diálogos, ações envolventes e… pensamentos intensos. Quando se constrói pensamentos assim, sob este princípio, você irá perceber que esta característica se tornará o elixir da narrativa. A personalidade de sua personagem se esparrama pelas páginas do seu livro tal como seria impossível se não existissem tais descrições.

Assim, reformule seus conceitos e aprenda a valorizar o pensamento de suas personagens. Aproveite este recurso para verter cada átomo de angústia, alegria ou fobia que as envolve. Seus leitores não querem somente saber o que suas personagens andam fazendo ou dizendo. Mas também o que elas pensam de tudo o que rodeia seu universo.

Expresse os Pensamentos Dela Com a Voz Dela

Seu estilo literário está impregnado em cada palavra, linha e parágrafos dispostos nas páginas. Até aí, excelente! Mas na hora de expressar os pensamentos de sua personagem, o que você faz? Grita com a mesma voz com que descreve os acontecimentos? Delete e reconsidere. Expressar pensamentos é o solene momento em que você precisa emudecer, e deixar a personagem falar. Tal como acontece com a construção de diálogos, você só deve escrever os pensamentos de sua personagem quando for capaz de ouvir a voz dela dentro de sua cabeça.

Como Escrever e Pontuar Pensamentos

Pensamentos de personagens da literaturaEsta foi uma dúvida bastante pertinente enviada pela leitora Rebecca Elise. Qual a melhor forma de escrever os pensamentos das personagens, expressando-os no tocante à pontuação?

Diversos recursos podem ser utilizados. No entanto, alguns são mais eficientes do que outros – o que não deveria surpreender.

Diferentes autores utilizam diferentes formas de expressar os pensamentos. Por exemplo, você poderá se deparar com o uso de itálico e aspas. No entanto, quanto menos formatado for seu livro, mais envolvente será a narrativa. Assim, desaconselho itálicos, sublinhados, negritos e quaisquer outros recursos em um livro para expressar pensamentos. Eles emporcalham as páginas, e tendem a distrair os leitores, arrancando-os repentinamente da narrativa.

Se estiver realizando uma narração do ponto de vista da personagem, não há necessidade de se preocupar com pontuações. Os pensamentos podem estar incorporados à narração, como no exemplo abaixo (sem o itálico, obviamente):

“Diante da visão estarrecedora, perdeu o fôlego. Como afinal foi parar naquele pardieiro?”

Note que a segunda frase incorpora o pensamento da personagem diante da situação, embora este seja expresso pelo autor.

No entanto, em uma narrativa limitada, onde o escritor precisa da expressão clara de sua personagem, uma das melhores opções seria:

“Diante da visão estarrecedora, perdeu o fôlego. Como afinal vim parar neste pardieiro, pensou.”

Não permita que pontuações e formatações distraiam seus leitores. Quanto mais aglutinado estiver os pensamentos e a narrativa mais impactante será o resultado.

Conclusão

Dominar a expressividade dos pensamentos de uma personagem é uma arte. Não deve ser encarado com despeito, uma tarefa enfadonha. Os pensamentos das personagens é o âmago de uma narrativa, independentemente de serem utilizados pontos de vista onisciente ou limitado.

Assim, faça com que seus leitores entendam cada motivação, cada elemento emocional sendo desenvolvido nas entranhas de suas personagens. Deixe que eles se justifiquem, por piores que sejam seus argumentos. Se seus leitores estiverem ansiosos por saber o que suas personagens pensam de tudo o que lhes acontece, você pode ter a certeza de que criou uma narrativa intensa e verdadeira.

 

borda

Receba Novidades

Insira seu e-mail para ser notificado sobre novas postagens da Literatura Corrosiva!

Seu e-mail (obrigatório)

17 Comments

  1. muito bom o texto

  2. Seus artigos são tão geniais e práticos que até parece que mortais podem escrever bons livros. Parabéns. Vou tentar seguir seus conselhos. Se vingar vou convidá-lo para prefaciar.

  3. Excelente, como sempre! Você é muito bom em passar dicas. Gosto muito! Tenho um outro blog com assuntos diversos e dentre eles, um que estou formatando para conter dicas e conceitos interessantes de como escrever. Normalmente, são pontos que eu mesma estou estudando. Vou levar alguns seus para lá, ok? Claro, com referência direta para seu blog. No futuro quero criar oficinas on-line, com atividades, jogos e diversões criativas sobre “Como Escrever”. Um abraço! Zaida Machado.

  4. Nossa, seu site é ótimo. Me ajudou bastante, mas ainda continuo pegando suas dicas ;)

  5. Achei interessante a maneira como abordou o assunto (brancas momenteneas).
    Sim tenho estado a escrever em word como que a treinar o que preciso escrever, e de vez enquanto acontece-me isso.
    Diz-me por favor. Existe algum programa proprio para escrever literatura? No word para colocar fotos, é muito complicado.
    Melhores cumprimentos,
    Manuel Martins

  6. Ótimo post, me ajudou bastante!

  7. Jennifer Almeida.

    21 julho, 2014 at 18:38

    EU NÃO CONSIGO FAZER AS VOZES DO MEU PERSONAGENS!

  8. Stefany Nunes da Silva

    17 novembro, 2014 at 15:01

    queria que você me desse uma dica de como escrever o pensamento do meu personagem

  9. CHARLES FERREIRA E SILVA

    4 junho, 2015 at 14:21

    Boa tarde!

    Você disse que o autor pode incorporar o pensamento à narrativa. O escritor pode, então, inseri-los com travessões da mesma forma que um diálogo proferido? Acredito que um personagem que pensa muito pode não conseguir manter uma integração narrativa X pensamentos ou, ainda, um pensamento que ultrapassa uma página inteira pode exigir recursos próximos da narrativa, como o uso dos travessões. Ou estou errado?

  10. Como expressar então, um diálogo real seguido de um pensamento?

    Exemplo:
    — Oi meu amor! “nossa, como ele é estranho!”
    No caso o: “nossa, como ele é estranho!”
    Seria o pensamento simbolizado por aspas.
    Está certo representar assim?

    Ou seria
    — Oi meu amor — “nossa como ele é estranho”

  11. Yume Snow Okami

    10 novembro, 2015 at 22:35

    hum…
    interessante, agora eu estou com duvida em relação a uma coisa, se eu for fazer um personagem de dupla personalidade que meio que “conversa” com seu outro eu como eu deveria fazer o dialogo?

    Ex:
    -eu não sei porque começaram a aparecer tantos tornados assim.
    “O mundo acabou, então, porque não?”
    -por que foram as bombas nucleares que fizeram isso, e não nenhum evento natural!
    “e você acha que eu me importo?”
    -Você é muito chata.
    “tecnicamente somos a mesma pessoa, então…”

  12. Reynaldo Dezen

    17 maio, 2016 at 16:34

    uma duvida , como faço para escrever pensamentos diretos ? por exemplo: Daniel pensou “acho que nunca amei assim” e a beijou com toda força

    • Juliano Martinz

      18 maio, 2016 at 11:19

      Olá Reynaldo,

      Estes são comumente chamados diálogos internos diretos. Há duas formas de representá-los: a mais comum é exatamente como você utilizou, com aspas. A outra forma, é utilizar o itálico. A forma com aspas é mais clara de ser compreendida pelos leitores.
      No entanto, como mencionado no artigo, este tipo de formatação polui o texto. Você poderá incorporar o pensamento à narração sem a necessidade de pontuar. Usando o seu exemplo: Acho que nunca amei assim, pensou Daniel, e a beijou com toda a força.

      Abraços

  13. Josué Teodoro

    10 outubro, 2016 at 00:27

    Interessante!
    Gostaria de saber se, em um diálogo onde o texto de um dos personagens fique muito extenso, ficaria deselegante ou mesmo errado usar parágrafos?

    • Juliano Martinz

      10 outubro, 2016 at 20:53

      Olá Josué…
      A resposta à sua pergunta é “não”. Não é deselegante, nem errado. Na verdade, é exatamente o contrário. Deixar de utilizar parágrafos durante uma fala longa de uma personagem prejudica a leitura. O uso de parágrafos, nestes casos, é bastante utilizado pelos escritores.
      Uma dica: ao iniciar um parágrafo com a continuação da fala da personagem, abra-o com aspas.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑