Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

6 PEQUENOS EXERCÍCIOS PARA JOVENS ESCRITORES

Alguns exercícios para auxiliar jovens escritores a transferir sua genialidade para o papel

É verdade que para ser um escritor, profissional ou não, exige-se criatividade. E ser criativo pode ser um dom. Ou não. O que quero dizer é que, se você não tiver sido agraciado com esta dádiva, ainda assim, poderá ser criativo. Criatividade é parte intrínseca do cérebro, um músculo que precisa de exercícios. Se Deus não lhe presenteou com um dom natural de derramar criatividade sobre o papel, na hora de criar seus personagens e suas histórias mirabolantes, considere estes exercícios para estimular sua habilidade na hora de escrever.

Exercício para jovens escritores

  1. Escreva uma pequena cena dramática em que duas pessoas conversam e, cada uma delas, possui um segredo que a outra desconhece. Detalhe: os segredos não podem ser revelados aos leitores. Ser criativo envolve saber brincar com o sigilo de seus personagens e manter leitores curiosos com o desfecho.
  2. Valorize os verbos. Pegue um trecho de um de seus textos e analise se costuma utilizar mais frequentemente verbos ativos ou passivos. Pode ser que perceba uso demasiado de um em detrimento de outro. Como exercício, pegue o mesmo trecho e altere todos os verbos: de passivo para ativo, de ativo para passivo. Por exemplo: “Helena sentiu (PASSIVO) os raios de sol em seu corpo” para “Helena mergulhou (ATIVO) seu corpo nos raios de Sol”.
  3. Descreva um dos seus personagens. Escreva o tanto quanto puder sobre ele – todas suas qualidades, defeitos, características, vícios, etc. No entanto, nesta descrição, ele não deve realizar nenhuma ação, o que inclui não dizer nada, e nem pensar em coisa alguma.
  4. Feito isso, em outra folha, repita o exercício. Desta vez, porém, descreva-o SOMENTE através de ações. As mesmas características que mencionou no Exercício 3 precisam aparecer aqui, mas você não deve declará-las. Os defeitos e qualidades de seu personagem devem vir à tona somente através de suas ações.
  5. Repita o exercício anterior. Agora, você deve expor as características dele SOMENTE através de suas palavras, em um diálogo. Estes exercícios servem para explorar as falas e ações de seus personagens como autoexplicativas, sem a necessidade de você constantemente precisar justificá-lo.
  6. Jovens escritores sempre tendem a criar personagens autobiográficos. Como exercício, tente criar pequenas histórias com personagens que são absolutamente diferentes de você… em TUDO.

Apenas não permita que exercícios assim tirem sua característica natural de escrever – regra essencial para quem quer ser um bom escritor. Você precisa ser natural e espontâneo. Regras são boas para o profissionalismo, mas podem tolher sua genialidade. Exercícios como esses servem apenas para estimular talentos entorpecidos que jazem dentro de nós, precisando apenas de estimulantes para despertar e trabalhar em nosso favor. Esta é uma das diversas dicas sobre como escrever um livro.

 

borda

Receba Novidades

Insira seu e-mail para ser notificado sobre novas postagens da Literatura Corrosiva!

Seu e-mail (obrigatório)

35 Comments

  1. Juliano,
    genial essa idéia de compartilhar conhecimentos – e prática – com seus leitores.
    Fiz uns exercícios aqui, e olhe, não imaginei que fosse sair tão bem.
    Valeu!

  2. Descendo as escadas da universidade Valentina encontrava-se distante e abatida, tropeçou em seu próprio pé e se não fosse por Bruna, teria caído da escada. Bruna estava indo correndo para a diretoria, pois acara de ser chamada pela Dona Joana.
    -Valentina sente-se bem? – Perguntou Bruna segurando a colega de classe
    -Sim, claro! – Disse Valentina despertado de seu pensamento – O que você faz aqui? Solte-me
    -Ok, ok, acabo de evitar um acidente e você age assim – Diz Bruna afastando-se – Agradeça pelo menos.
    -Claro! Desculpe-me, estou fora de mim – Passou a mão no rosto e respirou profundamente – Bruna para onde ia com tanta pressa.
    -Sem presa – Bruna respondeu com um sorriso amarelo – A Dona Joana me chama – Ela abaixou a cabeça – Na realidade nem quero ir lá.
    -Então, por que corria?
    -Não quero pegar suspensão, acabaria perdendo a bolsa – Diz Bruna olhando para o nada – É muito importante pra mim.
    -Claro! – Valentina parecia distante novamente.
    -Ora, você não parece bem, está tão absorta, aconteceu algo? Naturalmente você é tão alegre e… – Bruna colocou a mão na boca
    -E o que Bruna?
    -Ora Valentina, como qualquer outra patricinha, filha de riquinho, um tanto fresca – Diz Bruna com um sorriso travesso.
    -Poupe-me, Dona Joana deveria lhe tirar a bolsa neste instante – Diz Valentina – Com tantos problemas no mundo, ela evitaria que umazinha como você se formasse.
    -Nossa! O que houve com a Mulher Maravilha? Está atacada hoje – Diz Bruna sentando-se em um dos degraus da escada – Se quiser me contar sou todo ouvidos, se não eu vou pegar minha cruz e ir falar com Dona Joana.
    -Bruna, eu já havia lhe dito que não é nada.
    -Não se pensa em nada – Brinca Bruna – Pensa Valentina, mesmo que a gente pense em não pensar em nada, nós estamos pensando, não é?
    -Hoje você tá que tá – Diz Valentina
    -Não foge do assunto, falar ajuda e você parece precisar de ouvidos.
    -Ora, Bruna e quem disse que esse ouvido seria o seu? – Valentina indaga sentando-se
    -Por que você ainda está aqui, por que você sentou ao meu lado, coisa rara de se acontecer – Bruna disse ironicamente – Vamos, não sou tão pobre quanto pareço, tenho ouvidos veja!
    Valentina acaba rindo do que Bruna falou e ambas criam um pequeno vinculo, onde ambas possuem um segredo, e seus caminhos acabaram por se cruzar naquela escada.
    -É que eu vi meu pai com outra mulher – Diz Valentina – Essa manhã eu soube que meu pai estava traindo minha mãe
    Bruna afastou-se
    -Bruna o que foi?
    -Não nada – Diz Bruna com as mãos tremulas – S-Seu pai traiu sua mãe?
    -Sim – Valentina começa chorar e Bruna aparenta está um tanto pálida – Você mudou de repente…
    -Já disse que não é nada – Bruna sussurra
    -Que foi?
    -Traição… Essa historia me lembrou de outra…
    -Tem haver com sua determinação de permanecer com a bolsa e se fazer de escrava da diretora?
    -Não e sim – diz ela – É que Dona Joana é minha mãe verdadeira e…
    -Quê?!
    -Isso, descobri a pouco…
    -Como? Que dizer… Pera aí, você é filha da diretora, mas trabalha feito escrava para ela.
    -Não. Os trabalhos que eu faço é para ajudá-la.
    -Bruna, ela sabe que você…
    -Sim, descobrimos juntas – Disse ela.
    -Você descobre que tem uma mãe e eu descubro que meu pai trai e minha mãe e tem uma filha.
    -Como assim? Pensei que ele te traia com uma mulher…
    -É a mesma coisa, se ele tem uma filha, ele tem uma mulher – Disse Valentina com raiva
    -E como você sabe disso?
    -Por que eu escutei ele falando – Disse Valentina
    Bruna olhou as horas e pediu para que Valentina a acompanhasse até a diretoria.
    -Por que não queria ver Dona Joana?
    -Não é que eu não queira vê-la, é que eu não posso agora dizer que ela é minha mãe.
    -Por quê?
    -Por que meu pai não deixa – Diz Bruna
    -Por quê?
    -Por que ele é casado e tem uma filha e não quer causar problemas
    -Mas a família deve aceitar…
    -Você aceitaria?
    -Bem, seria difícil, mas é irmã… Quero ver minha mãe como ficará…
    Bruna abraça Valentina e fala.
    -E eu te chamando de filhinha do papai, mana – Diz Bruna
    -Como?!
    -Pois é…
    -Não, pera, eu ainda não processei, você é filha do meu pai com a diretora…
    Valentina olha para Bruna e a empurra volta para casa aos prantos… Até que finalmente acorda de seu terrível pesadelo. Sua vida está normal como filha única, mas seu modo de agir com os bolsista mudou, começou a trata-los bem.

    • Está muito bom , mas dê uma olhada nos erros ortográficos e no emprego de certas palavras em certos lugares, algumas não dão certo.

  3. ahahaha escrer um livroe o mesmo que escrever uma composiçao

  4. Joelma Ramos Dias de Oliveira

    24 setembro, 2012 at 18:05

    Quero escrever um livro sobre minha vida, minha história.
    Qual o 2º passo a dar sendo que o primeiro já foi dado que é eu querer!!!!!!!!!

    • Querida Joelma,

      Nunca comece a escrever o primeiro livro contando a sua vida.
      Procure outros assuntos, ninguém iria comprar um livro sobre você,
      só a sua família.
      Então o conselho que dou (já escrevi dez livros) é arranjar outros
      assuntos que realmente vá interessar a muita gente.
      É preciso pesquisar bastante. Ler, ler e ler.
      Ninguém escreve bem sem antes ter lido muito.

      Abraços
      Manoel Amaral

      • estefania Alves

        2 abril, 2016 at 15:01

        Manuel, se quisermos escrever um livro sobre as nossas vidas mas sem nos darmos a conhecer, trocar nomes de personagens, locais, etc

    • Joelma, se sua vida for comum, cheia de normalidade… é provável que seu projeto seja algo descartável. A não ser que realmente haja algum fato extraordinário nela, que lhe possibilite extrair um conflito magnifico. Se você for muito boa dando vida as palavras e conseguir fabricar algo que chame a atenção de algum escritor com algum destaque no meio profissional, talvez valha a pena arriscar… Eu não sou ninguém para te dizer nada, certo?

  5. Olá, adorei este artigo. Super criativo. Muito bem elaborado!!

  6. Eu gostei do último artigo. E diferente da tendência de que jovens escrevam autobiografias, eu tenho mais facilidades ao inventar histórias, brigas entre personagens, momentos de depressão nos personagens, e até de uma fuga do vilã ou da vilã nos últimos capítulos!

  7. rsrs o primeiro exercicio já fiz. olhem ai e se puderem respondam , se fosse um livro de despertaria curiosidade saber o final?
    Jonh descia as escadas do porão para guardar a caixa que continha o seu maior segredo. Mas de repente ouviu um estrondo e resolveu ser mais cauteloso. Elevou o calcanhar até ficar sobre as pontas dos pés e continuou descendo. Não ouviu mais o barulho e resolveu sacar a lanterna que estava presa em seu cinto.
    Ascendeu a lanterna e apontou-a para todos os lados até que avistou uma garota ela era magra , ombros largos e tinha olhos cor de oceano.
    -Quem é você? – disse ele apreencivo
    A menina respondeu sarcasticamente
    – Não era eu que devia fazer essa pergunta? – cerrou os olhos, o fitando-o de forma arrogante.
    -desculpa – diz ele perceptivelmente nervoso e inseguro- sou jonh
    – hum , sou milena.
    – oque esta fazendo aqui? -pergunta ele.
    – não é da sua conta , mas você não deveria estar aqui , esse lugar esconde muito mais coisas que você imagina .- mas me diga oque você veio fazer nesse lugar?
    – encontrar uns arquivos – ele mentiu
    – não vai querer fuçar esse lugar.diz ela.
    De repente a lanterna de jonh picou duas vezes e apaga totalmente por 5 segundos. Quando liga novamente ele procura pela menina mas não a encontra , ele sobe as escadas e sai com medo mas não vai desistir de desvendar os misterios do porão. Ele nem percebe , mas sua caixa de segredos não está mais em suas mãos.

    • Achei que em algum momento as mesmas palavras se repetiram demasiadamente e a estrutura ficou um pouco incorreta.
      Alem disso, alguns erros ortográficos e gramaticais podem ser revisados.

  8. Nesse caso parece que meu livro não vai dar certo… Nele as pessoas desaprendem a falar, a escrever e até a pensar, subitamente, depois que todas elas desmaiam sem motivo aparente. E o pior é que elas nem sequer lembram que alguma vez na vida já falaram, como se Deus desse um reset nas pessoas, mas elas permaneceriam com as mesmas lembranças e habilidades. Aí eu exploro as possibilidades desta situação em uma cidade (fictícia) do litoral do Ceará. Gente brigando por qualquer motivo, roubando alimentos (não há mais dinheiro), Ninguém trabalhando… Ao mesmo tempo em que relações familiares e de amigos ficam mais estreitas, a compaixão de alguma forma também surge sem que se pense duas vezes…

    Os acontecimentos são centrados na família de um estudante de engenharia elétrica, nerd, de bom coração, rebelde de certa forma, não-romântico etc.

    Posteriormente a humanidade está reduzida a poucos milhares. Bem espalhados pelo globo. Essas são comunidades de pessoas (famílias) que são independentes do resto, ou que partilham seus bens com outros. Elas já possuem uma linguagem, ainda que rudimentar.

    Enfim, tentarei guiar a espécie para o surgimento de novos idiomas, novos modelos, novos gênios… Um troço bem complicado na verdade… Ai, como vou terminar esse fardo?

    • Achei a história boa.
      Basta ampliar o leque.

      Abraços
      Manoel Amaral

    • Parece ser um campo fértil, explore o quanto puder, achei interessante, Toinho. A ficção científica tanto pode ser mais desafiadora por não existir uma comparação real, quanto pode ser mais fácil de se conduzir, por haver total liberdade. Quanto a essa declaração, eu posso estar dizendo a maior bobagem da minha vida, mas…

  9. Ótima postagem, muitas novidades. Tenho alguns livros e sempre percebo que falta algo neles, acho que estou encontrando. Abraços!

    • Juliano Martinz

      11 agosto, 2013 at 17:56

      Este é um grande problema que todos escritores enfrentam, Mrysol: achar que o livro sempre pode ser melhor, que sempre há algo faltando. Não pense que isso acontece somente com você. Seus escritores favoritos também passam (ou passaram) por isso.

      Abraços!

  10. Uau, Juliano.
    Creio que você não faça ideia do quanto suas postagens me ajudam. Quase parei de escrever, por falta de criatividade, inspiração e também porque achava ser jovem demais para escrever um livro descente. Um tempinho depois, pesquisei “Como escrever um livro” e acabei chegando aqui nesse blog. Comecei a ler seus posts então consegui voltar a escrever meu livro. Muito, MUITO obrigada mesmo!

  11. Eu não sei como continuo o que estou escrevendo.
    O meu é uma história de uma adolescente, que mesmo sabendo que não pode mudar o mundo sozinha, ela quer fazer sua parte, deixar um legado. Helena não vê a sociedade com um senso comum, ela vê de um ponto de vista indagativo, mesmo que muitas vezes visto pelos outros como fora da realidade.

  12. Juliano Martinz, te descobri hoje durante a tarde e confesso ter trazido de volta toda a esperança que eu perdi. kkk
    Deixando o drama de lado, quero agradecer os teus conselhos.
    Escrevi meu primeiro livro com 15 anos e hoje tenho 23. Só no ano passado decidi escrever novamente, mesmo sendo compositor a muito tempo. É bom saber que pessoas como você podem nos ajudar assim.
    Obrigado :)

  13. Vou fazer todos os exercícios em uma série no meu blog.
    Passa lá pra ver se ficou bom!

  14. Nossa Juliano vc é Demais mesmo :)

  15. Tenho algumas duvidas bem fortes em relação aos seguintes tópicos:

    1- Historias paralelas. Quando dizer chega?
    2- Tratando-se de algo não primordial, pode-se deixar sem um final explicito?
    3- Como dar mais suspense em uma cena?

    Obrigado

  16. Ola, gente boa noite, eu tenho 17 anos, e estou escrevendo o meu 3 livro, esse que escrevo agora se chama: Uma Historia De Amor (UHDA) , ele conta a historia de 16 guardiões que descem a terra em forma de adolescentes normais, cada um com suas derrotas e vitorias, que terão que descobrir sua missão na terra e principalmente mudar o mundo…conseguir que as pessoas percebam e quera sair desse mundo ilusionado, cheio de mentiras, capitalismo e preconceito. Aprenderam a amar, a confiar e o objetivo principal: nunca perde as esperanças.

    O que vocês acham? sera que vai ficar bom?

  17. nelson queiroz

    14 agosto, 2014 at 07:58

    eu também quero ser escritor, já tenho alguns escritos, por isso estou a procura de novos temas, novos incentivos e estou a tentar beber de muitos outros escritores, a verdade e devemos ler muito para muito também aprendermos.

  18. Nickelly à dois anos atrás tinha o costume de ir todos os dias com Marcus à uma boate que ficava perto de sua casa e só voltavam de manhã, mas Nick se lembrava do dia, daquele dia.
    Nickelly estava saindo de casa quando viu Marcus em seu carro perguntando se essa seria a melhor noite pra ela provar o sabor de uma bebida alcoólica, Nick afirmou com entusiasmo e logo foram à boate. Lá, Marcus fez Nick beber o primeiro gole, o segundo, até Nick se viciar e não querer mais parar. Nickelly nessa noite ficou tão bêbada que não sabia nem seu próprio nome. Marcus rindo disse que iria ao banheiro vomitar, Nick nem ligou e começou a dançar sem se importar com nada. Um homem de cabelos castanhos, olhos negros e com pinta suspeita se aproximou dela, a agarrou e tentou beijá-la à força. Nick o empurrava, mas ele era mais forte e a agarrava com muita violência. Os outros jovens que estavam na boate nem ligaram, talvez pensassem que eles fossem um casal e não quiseram interromper. Ela queria se desprender dele, mas ele começou à batê-la por ela não deixar que a beijasse, ela pegou uma das garrafas de vidro verde que estava em cima do balcão do bar, o alcançou, levantou no ar e atingiu a garrafa com toda sua força na cabeça dele. O homem desmaiou, as pessoas que dançavam e se divertiam ao redor olhavam assustadas e davam gritinhos de medo, e Nick por outro lado bêbada, dava risadas altas. Marcus voltou do banheiro e viu a cena, sem entender nada. A ambulância não demorou muito a chegar, levaram o homem ao médico e Nick à delegacia para prestar contas, Marcus a acompanhou. Nick sentia-se feliz e normal, estava fora de si e não tinha idéia da encrenca em que se metera. Os policiais ligaram para sua mãe que foi correndo à delegacia acompanhada de Sara. Valquíria chegou lá apavorada e conversou com os policiais:
    – O que houve? O que minha filha fez?
    – Sua filha foi pega numa boate para maiores de idade com uma carteira de identidade falsa! – disse o policial calmo.
    – Mas… Isso pode fazer minha filha ser presa?
    – Falsidade Ideológica… Mas não é somente isso… Sua filha atirou uma garrafa de vidro contra a cabeça de um homem na festa, e que segundo algumas pessoas do local dizem, eles pareciam bem íntimos.
    – Ui! – exclamou Sara sinicamente.
    – Como? Mas… Ele está bem? – perguntou Valquíria.
    – Acabamos de ser informados pelo hospital que ele foi levado, que a pancada foi muito forte e um pedaço do vidro perfurou seu cérebro e ele acabou não resistindo… Faleceu uma hora após ser levado ao hospital!
    – Meu Deus! Nickelly jamais faria isso… Matar uma pessoa, não! Minha filha não pode ser presa! Ela tem o direito de contratar um advogado?
    – Sim, ela tem! E lembre-se de que o caso de Nickelly Alves é homicídio culposo, quando não têm intenção de matar!
    – Mas é claro que não têm intenção de matar! Minha filha não é assassina!
    – A Nick ta encrencada! – disse Sara.
    – Eu tenho certeza de que ela tem o que explicar sobre isso! – disse Valquíria.
    – Fale com sua filha… Você deveria ficar mais atenta sobre os lugares que sua filha freqüenta… Ela não só tem quinze anos?
    – Sim, ela tem! Hoje foi um incidente! Isso não se repetirá mais! – disse Valquíria. – Vou até minha filha, com licença!
    Valquíria correu agoniada em busca de Nick. Marcus estava ao seu lado consolando-a. Sara olhava apaixonadamente para ele, nessa época eles ainda não namoravam. Valquíria se aproximou dela e a olhou fixamente. Nick disse:
    – Foi mal, donazinha! Hahaha! É sério, eu joguei a garrafa nele sem querer, juro juradinho! – e começou a gargalhar estridente.
    Sua mãe logo notou que Nickelly estava embriagada e teve permissão de passar a noite ao seu lado na delegacia, para Nick dar esclarecimentos no outro dia, quando estivesse mais lúcida. Valquíria mandou Sara voltar para casa, Marcus deixou-a em casa e depois foi para a sua.
    O outro dia começou bem agitado, Nick estava indo em direção à sala de interrogatório, acompanhada de sua mãe. O policial começou perguntando:
    – Qual o motivo, senhorita Nickelly, de você ter jogado uma garrafa de vidro contra à cabeça de um homem?
    – Ele… Ele tentou me agarrar à força!
    – Você é menor de idade e estava em uma boate para maiores… Você devia ter a idéia de que qualquer homem que estava naquela festa poderia chegar perto de você e à agarrá-la!
    – Mas eu… Eu não ia deixar não é mesmo?
    – Não! Mas lançar uma garrafa contra a cabeça dele, acho que não seria a ação mais correta a se fazer em uma situação dessas!
    – Fala sério, eu tava bêbada! Eu não estava pensando em minhas ações!
    – O homem que você atirou a garrafa está morto, senhorita Nickelly!
    Nick ficou séria e pareceu perceber a intensidade da situação.
    – Sério? Eu… Eu matei um homem? – perguntou Nick realmente chocada e com medo.
    – Sim, senhorita Nickelly! E a sua situação agora não é tão leve!
    – Ai meu Deus! Por favor, eu não posso ser presa! Eu estava bêbada!
    – Você será presa e terá o direito de contratar um advogado! A não ser… Que você pague a fiança!
    – Eu pago a fiança dela! Eu pago!
    Valquíria pagou a fiança de Nick aos policiais, que ficou livre. Horas depois, o policial se aproximou de sua mãe e disse:
    – Senhora Valquíria, leve sua filha para casa… O choque desse acontecimento ainda é forte, ela precisa de repouso!
    – Tudo bem! Vamos, Nickelly! – disse sua mãe colocando os braços ao redor do ombro de Nick, e juntas foram pra casa.
    Chegando lá, Nick disse:
    – Val, me desculpa! Eu juro… Estava completamente bêbada, Marcus me deu bebidas e quando notei, já estava fora de mim e… – Nick parou abruptamente o que dizia e pensou no perigo em que acabara de meter Marcus.
    – MARCUS? – berrou sua mãe. – VOCÊ QUER ME DIZER QUE AQUELE MOLEQUE LHE EMBEBEDOU?
    – Não! Eu errei! Não foi ele, foi…
    – Claro que foi ele! Não esconda o erro dele, Nickelly! Não quero ver você nunca mais com esse moleque, está me ouvindo?
    – Ah, fala sério… Ele é meu amigo!
    – Amigo? Estou vendo o que o seu ‘’amigo’’ fez com você! Está proibida e ponto final!
    – Você não vai me proibir disso, não vai mesmo!
    – Se você se encontrar mais uma vez com esse Marcus, eu vou ficar tão furiosa com você que sou capaz de não lhe bancar em nada, e ser até desprezível com você! Em outras palavras, você deixará de ser minha filha, porque eu deixarei de lhe tratar como mãe!
    – Que injusto! Eu nunca mais lhe vi como mãe mesmo! – disse Nick baixo.
    (…)

  19. Gabriela Roberta

    15 dezembro, 2014 at 15:04

    Ariadne costumava ficar em casa todo dia, sua mãe trabalhava e ela não tinha pai, pois um acidente tinha acontecido com ele à 1 mês atrás, ele estava dirigindo quando dormiu no volante de seu carro e perdeu a direção e estava vindo uma carreta e bateu no carro dele ele morreu na hora…. Quando Ariadne se deparou com a noticia de que o pai dela tinha morrido ela simplismente parou de sair, se afastou das pessoas ela estudava e tudo… Sua mãe coitada já estava o pó e a catinga, então não sabia mais nem o que fazer com ela e nem com si mesmo porque a gente mal comanda a gente muito menos outra pessoa… Até que um dia numa manhã qualquer, Ari (apelido) tinha acordado e olhou pela janela como fazia toda manhã, ela estava sozinha em casa pois sua mãe tinha ido trabalhar ela saia ás 4:00 da madrugada e chegava as 19:00 da noite, Ari saiu do seu quarto de pijama e derrepente a campainha tocou Ari estranhou mais foi atender a porta e deparou-se com um moço alto, cabelo loiro acinzentado, olhos azuis, sua pele era branca, branca igual leite, enquanto Ari era branca cabelo cor de fogo e liso, olhos castanhos, ela era desastrada, desajeitada e timida.. Ari perguntou: – O-Oi, o que quer? Qual seu nome? Então ele respondeu -Meu nome é Afonso, e eu sou o seu vizinho da casa ao lado, viu? Aquela casa… E seu nome? Ari respondeu : -N-Não..eu não estou vendo a casa, espere 1 minuto ! .. Ari saiu ali fora um pouco e tropeçou-se em seu pé e caiu no chão.. -D-Desculpe… Afonso: – Não tem nada Ariadne, venha a ajudarei levantar… Ariadne : -Obrigada, qual casa você estava falando? Afonso- Aquela ali.
    Ariadne : -Oh!! Agora eu vi… Seja bem vindo !
    Afonso: -Obrigado, sejamos amigos?
    Ari: S-Sim! Ari responde corando…
    Afonso: -Você me mostra a cidade? Hoje, agora?
    Ari: -Sim, irei me trocar espera! Ari se trocou pois sua roupa de costume, um short, um all-star, sua blusa escrito I’m Nerd, e pois seus oculos grandes… E saiu para mostra a cidade a ele..
    Ari: Voltei!
    Afonso: Ah, boa volta! você.. você tá linda..
    Ari: O-Obrigada… disse corando..
    Afonso: Nem por isso!
    Ariadne mostrou a cidade a ele nem viu a noção do tempo quando ela foi ver, já era 5 para as 20:00 e saiu correndo falando:
    Me alcançe corra, estou atrasa.. disse ela.
    Ok, estou correndo.. disse Afonso
    Ariadne depois de um longo percurso chegou em casa.. Sua mãe uma moça baixa, cabelos castanhos, olhos pretos e branca falou:
    Onde você estava senhorita Ariadne!?
    Mãe eu tava por ai.. Não posso mais sair agora?
    Não é nada disso, eu só queria saber..
    Ariadne interrompe a mãe dela..
    Pois já sabe!!
    Ariadne não queria contar o segredo de que ela sairá com o Afonso..
    (…)

  20. Juliano esse é o meu primeiro conto ,procurei deixa-lo curto e engraçado.
    A jornalista
    Carla e Rafaela foram ás compras em uma rua movimentada de são Paulo, ao sair de uma das lojas Rafaela viu um rapaz com jornais debaixo do braço entregando-os para as pessoas que passavam, conversa vai conversa vem Rafaela pergunta a Carla.
    -Você viu aquele menino com os jornais na mão?
    -Não reparei porquê?
    -Estava pensando…ah deixa pra lá
    – Agora que começou termina –Disse Carla ansiosa para saber o que a amiga tinha a dizer
    -Já sei você quer um jornal, vamos lá eu peço para ele
    -Não, não é isso, mas ele me deu uma ideia
    -Vai conta logo –disse Carla ansiosa pela resposta da amiga
    -Vou casar com um jornaleiro!
    Surpresa a amiga questionou:
    Porque jornaleiro?
    -Ué eu vou ser jornalista não é? então tenho que me casar com um jornaleiro.

  21. Eu senti dor , e senti ela em mim , mergulhei na amargura do medo percebo que meus olhos não enxergavam mais como seriam essa amargura , eu tentei reviver por muito tempo aquilo que um dia , foi importante e que se perdeu,com a materialidade da vida em que estamos presentes , afogado em magoas , me embriaguei na solida e vasta escuridão , a esperança já não era o meu caminho , meu tormento era vivenciar momentos em que cuja hora me traria de volta o que não foi esquecido , sua fragrância em meu peito me eludia como as chaves para abrir aquela porta que esta trancada , sendo você e só você a herdeira desse proposito , com sua beleza , meus olhos viam em você , na mais pura vontade e simplicidade em que o ser humano pode se exaltar , passado se tempo , me vedo e fecho , mais nunca me entrego a não te esquecer .

  22. Eu gostaria muito de escrever o meu primeiro livro.
    Sei exatamente como seria o começo e o final, porém o desenrolar da história é que perturba.

  23. Concordo plenamente; criatividade (dependendo do nível e frequência da mesma) é de fato um dom. Mas creio que escritores já nascem como sendo escritores, isso só é desencadeado em nós, mas até mesmo nós escritores e criativos precisamos de exercícios para isso não murchar. As dicas são ótimas ;)

  24. Vanessa Castro de Araujo

    28 junho, 2016 at 16:25

    Comecei escrever um livro agora; falando sobre um passado constrangedor que tive; no entanto, não deixando de falar como tenho superado tudo isso.É muito bom, tenho vários temas incríveis, inspirados por Deus…

  25. O Jantar.

    Lá estava eu e Daniel, jantando. Nosso casamento ia completar dez anos e, apesar de me sentir feliz, gostava de me lembrar de como nos conhecemos e como éramos mais felizes naquela época. Se voltássemos pra lá, meu deus seria ótimo voltar ao passado, eu iria sem reclamar. Afinal, lá, jovem como eu era, não precisaria me sentir tão culpada pelo que fiz.
    Entramos no restaurante que sempre íamos aos aniversários de casamento. Eu nunca pedi de fato para que Daniel me levasse a lugares chiques e pomposos como esse, mas ele insistia, dizendo que eu merecia isso e muito mais. Em nossos aniversários, eu ganhava um banho de roupas novas, passava o dia no salão, pintando unhas, lendo revistas enquanto cortavam e penteavam meus cabelos. Por mim, poderíamos fazer um bolo de chocolate com calda, sentarmos na cama e comer, enquanto víamos algum filme. Apesar de ter amadurecido, minha jovem alma permanece ao lado do querido bolo de chocolate. Quando o garçom nos levou a mesa, Daniel engolia a seco.
    O garçom gentilmente nos deu o cardápio e Daniel parecia tão inquieto quanto eu, aquele restaurante me trazia más lembranças. Abri o cardápio e li às páginas que antes eram novas e hoje são amareladas e sem novidades. Dez anos indo ali e nunca adicionaram nada novo no cardápio.
    Sentia-me mal e percebia que Daniel também. Tive a leve impressão de que ele escondia algo, mas eu não podia julgar ele na minha atual condição. O que eu fiz era errado, mas se ele não descobrisse, Não poderia me culpar;
    — O que vai pedir amor? — perguntei apenas para quebrar o gelo.
    Daniel puxou a gravata, alargando-a um pouco. Tossiu, soando. Não sabia se estava passando mal ou se era apenar nervoso;
    — Eu não sei bem. Talvez uma salada com atum? — Ele riu. — Quer dividir uma salada comigo?
    — Você, pedindo salada com atum? Que mudança hein, você nunca gostou de peixe. Muito menos de salada.
    — É bom mudar de vez em quando. — Ele tossiu mais um pouco e abriu uns botões da camisa. — Vai pedir ou não? Estou com um calor danado, garçom… Garçom! — O garçom se aproximou com uma jarra de água e um copo.
    — Está se sentindo bem, querido?
    Algo estava errado, mas se eu perguntasse, poderia correr o risco de ter a pergunta devolvida e ter meu segredo revelado. Isso não poderia acontecer.
    — Estou, deve ser só uma tosse. — Ele bebeu um gole de água bem grande. — Quer pedir algo logo? Ou se preferir, podemos sair daqui.
    — Bem… — Hesitei. Se pedisse algo ou ficasse ali no restaurante mais tempo que o necessário, poderia acabar me dando mal. Se dissesse pra irmos, ele iria estranhar minha má vontade de ficar no lugar tão repentinamente. — Peça a salada com atum pra dividirmos e então vamos pra casa ver um filme, pode ser?
    Peguei na mão dele, carinhosamente. Ele sorriu, bebeu mais água e então fizemos o pedido.
    — Amor, se lembra de quando sentamos aqui pela primeira vez? Você não sabia nem que talher começar a usar… Foi engraçado.
    Ri de nervoso. Pra quê falar disso agora? Justo hoje?
    — Meu deus, como foi engraçado, hein. — Ri mais um pouco, bebi a água e mudei de assunto. — Essa salada não está demorando?
    — Concordo, se eu tiver que esperar mais por uma salada, acabarei por morrer de fome. Garçom venha aqui… Oi, então meu chefe, pedimos uma salada e está demorando muito!
    — Eu sei senhor, mas o chefe está com muitos clientes hoje, irei trazer o mais breve possível. — O Garçom disse, levou alguns tapinhas na costa do Daniel e se retirou.
    — Percebi agora que a salada se chama Salada da verdade. Nome diferente, não?
    Continuamos a conversar sobre qualquer outra coisa, mas eu precisava ir embora logo antes que algum conhecido, ou estranho, chegasse.
    — A salada. — anunciou o garçom colocando-a na mesa. — E um copo de champanhe para a dama.
    Bebi um gole enquanto Daniel perguntou quem trouxe a champanhe.
    — É por conta do chefe da casa. — Ele piscou pra mim, saindo.
    Quase coloquei tudo pra fora.
    — O que ele quis dizer com a piscadinha, Verônica?
    — Eu não sei, apenas foi cortesia. Acho que sou bonita e ele quis me presentear.
    — O chefe? Mas ele nem viu você! Isso está estranho, Verônica…
    Meu deus. O chefe não poderia ter feito isso comigo. Não hoje, no nosso aniversário de casamento. De dez anos. Pensei que ele tinha esquecido. Eu tinha que esquecer.
    — O garçom, Daniel. Ele deve ter me achado bonita e quis fazer isso, deve ser por isso que ele piscou também… Vamos comer. Aqui, você vai adorar essa salada, tem amendoim e pimenta do…
    — Espera aí, você nunca pediu essa salada em dez anos que viemos aqui, como sabe o que tem? — ele pôs um pouco no prato, emburrado e suando com o calor.
    — O que tá querendo insinuar? Olha querido, diz o que tem no cardápio. Apenas coma.
    — Ok, sabe o que mais gosto daqui? Não temos que sair com o chato do seu pai.
    Tossi. Dei um sorriso largo e coloquei a salada na boca.
    —Verônica, o que tem nessa salada mesmo? —Ele voltou a tossir e ficar vermelho, servi mais água pra ele.
    —Alface, atum, amendoim, pimenta do reino, azeite, cebola, tomate, pepino, sal, vinagre e migalhas de pão.
    — Amores fizeram um exame médico meu esses dias. O resultado disse que… Bem, eu sou alérgico a amendoim. E parece que desde que descobri só tenho comido isso. Você me fez bolo de amendoim ontem e eu comi. E agora na salada… — Ele tossiu mais.
    — Meu deus! Por que não disse? Beba água, vamos, vamos beba!
    —Eu fiz esse exame na viagem de trabalho pra Nova Iorque querida, liguei pra sua mãe e pedi que a avisasse. — Ele bebeu mais água, as veias na garganta pareciam gritar por socorro.
    — Alguém chame uma ambulância!
    Ligaram e eu corri pra cozinha gritar com o chefe;
    — Como pôde? Sabia que ele é alérgico a amendoim, pai!
    Meu pai riu e disse;
    — Ele vai ficar bem, o chefe da casa nunca erra. Eram nozes.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑