Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

Cassandra Vai a Roma

No dia de sua morte, Severina é fustigada pelo Sol impiedoso.

Severina teve filhos. Vários deles. Cada qual, um rumo na vida. Um virou doutor. Outro andarilho. E ainda outro natimorto. O restante, cálida sina de seres inanimados, jamais deu notícias.

Agora, a viúva Severina (viúva do último, mas abandonada pelo primeiro) rasteja suas pernas finas cambaleantes pelo árido sertão piauiense.

Antes que ela consiga chegar ao próximo vilarejo, Severina cai morta – um baque elegante de um corpo esquelético, escanzelado, no chão poeirento e inóspito.

Porém, antes do impreciso último suspiro, Severina tem um último pensamento inquietante: “Por que raios o nome desta crônica é Cassandra Vai a Roma”?

1 Comment

  1. Geovanna Camargo

    at

    Nossa, show!
    Estarei lendo essa crônica em um dos meus trabalhos. Demais kkk
    Parabéns pela escrita e pela criatividade!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2020 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑