Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

Category: Poesias e Poemas

Pálido e Viscoso

Você sabe que tudo vai dar certo. Até que o paraquedas não abre, e tenta te convencer do contrário. E em queda livre, é quase impossível separar devaneios utópicos de realidades práticas

Continue reading

TARDO TOQUE

Brilha voracidade em tardo toque
Em voga distração, princesa minha
Citando-me teus olhos lembranças esquecidas
Pulsando impulsividade, pulsação reprimida.

Continue reading

POEMA – INERTE MUDANÇA

Poemas e Poesias Sobre Inerte Mudanças - Arte Final

Continue reading

CONDENSA ESPERANÇA

A seiva de tua voz

Colhe pele, corre peito

Um céu suspenso e refeito

Derramando esperanças com teu nome

Forma ganhos, ganha forma

Ganha plástica um céu de anil

Teu sorriso estendido

Sua o beijo, beija o riso

Enxerga o rímel

Ouve o brinco

Suaviza o delírio

Me repassa em pente fino

Canta sono, estanca crivo

E forma sonho do desatino

És raiar do sol em menina

O doce som em minha sina.

Condensa esperança

Foto: Andrea Kratzenberg

PERFEITA SIMETRIA

Perfeita simetria

Continue reading

SEU IDIOTA FAVORITO

Você me contou como sempre fui seu idiota favorito
A criança de semblante estagnado
Um certo erro, um erro acertado
Uma lembrança a ser esquecida
Frases desconexas
Que jamais formam uma oração.

Pareceu-lhe mais fácil se apresentar em outros circos
E conquistar a escuridão de sonhos impossíveis
E cruéis desfechos
Palavras lhe soaram dispensáveis
Apelos lhe pareceram engraçados
Toda essa sina de bem cuidar
Cansou sua mente aventureira
E seu desejo de romper grilhões
E conhecer um mundo distante
Que não fosse tão covarde quanto o meu.

Hoje te vejo se arrastando
Por entre entulhos neste velho chão
Respirando a discórdia, se entorpecendo com solidão
Fitando as paredes brancas do seu quarto
Olhos vidrados, pequenos remorsos em coesão –
E será que valeu a pena negociar seus sonhos
Por uma alegria passageira
E fantasmas eternos?

E hoje, apenas te vejo tropeçando
Desajustada, neste mesmo velho chão
Chorando sangue, fazendo promessas, implorando migalhas
Acredito que o que perdi me perdeu
E o que me perdeu jamais poderia me fazer encontrar
A suavidade de novamente estar em pé
E ser para alguém que nem sei quem é
Mais uma vez, o seu idiota favorito.

© 2020 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑