Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

RETRATO SOLIDÃO INDELÉVEL

Estendida sobre o chão gélido, amalgamou-se

Crônicas Sobre Retrato Solidão Indelével

A pele pálida revelava uma angústia que retumbava seu peito frágil. Sucessão de derrotas que desenhavam uma linha escura sob seus olhos. O mundo que não girava. A alma que não saltitava. O tiro que sempre lhe rompia as têmporas.

Afogou-se em mais um garrafa. Uísque barato. Lutas contra sua própria imagem, seu desconforto desalinhado em céus cinzas e soturnos. Um tombar surdo e seco no piso do banheiro. Acordar horas depois sem saber por que era, por onde estava.

Certa madrugada, na sacada do apartamento, o vento gélido lhe cortando a alma despedaçada, conheceu um universo paralelo. O som da TV ligada. Risadas e música desconexa no aparelho. Virou-se. Atônita, deparou-se consigo mesma, sentada no sofá, uma expressão alegre de uma moça com a jovialidade lhe brotando à pele. Ela mesma, mas outra ela. Uma ela diferente, com outra vida, como se tivesse tomado decisões menos desacertadas. Como se tivesse redecorado poemas e poesias com vicissitudes mais brandas do que suas escolhas funestas.

Aproximou-se de sua projeção, realidade paralela. Notava-se. Notou-se. A outra ela, sentada tranquilamente no sofá, pés esticados. Um olhar despreocupado. Um ocupado senso de prazer.

Mas a outra ela não a via. Ignorava-a. Era apenas ela e a TV. E um sorriso insistente, sincero, que não ousava desaparecer.

– Pode me ouvir? – Quase um sussurro, vida falaz já no fim, pergunta à ela paralela.

Sem respostas.

Contemplou redor e derredor. A casa toda redecorada. Luzes acesas. O olhar jovial. A expressão sorridente. Tudo novo e ela, uma espectadora cansada de cansaços. A personagem inacabada de textos reflexivos.

Sentou-se no chão e ficou admirando-se. Admirada, a jovem cuidadosamente esparramada em um sofá, exibindo uma satisfação com que sonhara toda a vida. Queria aprender, saber o que ela fez para conquistar aquele sorriso.

Estava cansada de estar cansada. E precisava voltar a aprender a sorrir.

Deitou-se no chão frio, e esperou.

Esperando…

Enquanto isso, na sacada, o vento gélido procurava outra alma despedaçada para poder saciar sua sede de vitimar.

 

borda

Receba Novidades

Insira seu e-mail para ser notificado sobre novas postagens da Literatura Corrosiva!

Seu e-mail (obrigatório)

2 Comments

  1. Sucessão de derrotas que a levou a sentir,um profundo vazio em sua alma , acompanhada de um marasmo.

  2. e legal

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑