Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

VOANDO COM TOLSTÓI

Numa certa manhã, fria como o inferno, como costumava dizer, julgou-se capaz de voar. Absoluto em suas ideias, vagou da cama à janela com passos lânguidos, olhar sedento, a medida que o véu da poluição contornava a silhueta da cidade podre que aprendeu a odiar.

Lá embaixo, dez andares abaixo, seres fétidos se arrastavam como ele, distraídos em suas vidinhas vazias, contornando avenidas cancerígenas, serpenteando ruas densas mórbidas, trêmulas elas, ruas, avenidas, pessoas. Em outros dias, escreveria suas crônicas pequenas sobre a depressão, a solidão, sobre o eco amortecido retumbando nas paredes emboloradas. Em outros dias, pensaria em mil maneiras de fazer com que o sangue gélido em suas veias, resolvesse esticar as pernas e correr.

Voando com TolstóiMas hoje era diferente. Numa vida repetitiva, o diferente ganha formas e contornos de belo e aprazível. Abriu a janela e deixou o ar acerbo e rancoroso da cidade socar-lhe os pulmões. Recurvou-se. O peito em chamas. Um dia frio. O sangue bucólico lentamente a caminhar. Lembrou-se de Tolstói e já de pé, no parapeito repetiu para si mesmo: “Não é possível ser bom pela metade”. Que fosse por inteiro, ou que não fosse. Hoje, pela primeira vez, acreditou em si mesmo, e do alto do décimo andar, saltou.

A última vez que foi visto, sobrevoava Paris, os braços abertos, um sorriso largo no rosto, e um grito de êxtase de quem aprendeu a ser bom por completo.

(Crédito Foto: Abdulaziz Almansour)

 

borda

Receba Novidades

Insira seu e-mail para ser notificado sobre novas postagens da Literatura Corrosiva!

Seu e-mail (obrigatório)

2 Comments

  1. E o perfil de uma pessoa que não tinha amor pela vida e nem amor próprio.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑