Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

GRANDE TONHO!

Crônica Humorística sobre o mito Tonho, um verdadeiro super-herói

Contrário à maioria das pessoas, Antônio Cerqueira da Silva, o Tonho, passara a vida inteira planejando sua morte: uma morte gloriosa, esplendorosa, digna de destaque nos anais dos feitos heroicos.

Sua morte se tornara uma obsessão. Enquanto todos planejavam qual carro comprar, qual casa financiar, qual cônjuge escolher, Tonho meditava: seria melhor ser vítima dum 38 ou de uma submetralhadora? Atropelado por uma moto ou por um caminhão? Morto por um ladrão ou por um terrorista? Os critérios levados em consideração nunca se condicionavam ao fato da morte ser dolorosa, ou não. O que realmente importava é que tinha de ser uma morte honrosa, resultado de algum ato de bravura, uma manifestação de caráter heróico. Cair de uma árvore e quebrar o pescoço ao tentar salvar o gato da viúva do 52 não seria tão grandioso quanto salvar crianças de uma creche dominada por um sequestrador, e ser baleado no último instante pelo facínora.

Crônicas Humorísticas Grande TonhoEle tinha sua opinião:

A gente vive, em média, 60 ou 70 anos. Mas a morte dura para sempre. Por que vou fazer planos para uma vida tão curta, se posso fazer planos para a morte eterna?

Os parentes ficaram preocupados, temendo que ele cometesse alguma loucura. Não adiantavam argumentos, não lhe influenciavam conselhos. Tonho queria uma morte grandiosa, televisionada e eternamente memorizada. Queria que ditados fossem reformulados: “Melhor morrer como um Tonho do que viver como um veado”. Uma placa em sua homenagem. Marchas comemorativas. Feriado municipal.

No dia em que entraram em seu quarto e descobriram planos para sua “morte gloriosa” cuidadosamente registrados, os parentes decidiram pela internação. Os enfermeiros, a princípio, precisaram arrastá-lo para fora do apartamento. Apenas “a princípio”, porque assim que percebeu que resistindo, poderia cair, bater com a cabeça e morrer – uma morte indigna, pobre e sem graça – Tonho acabou colaborando com os enfermeiros. Até mesmo acautelou-os, enquanto saiam da portaria para a ambulância:

Cuidado com o degrau!

Uma semana após o internamento de Tonho, houve um terrível incêndio no hospício. Em poucos minutos, o prédio todo estava em chamas. Bombeiros, curiosos, a equipe da TV – uma multidão ao redor do hospício. E de repente, de entre as fumaças negras, surge um homem franzino carregando um interno para fora do prédio tomado pelas labaredas. É o Tonho! Desespero da família e dos amigos. Mas Tonho não atende aos pedidos de ninguém, nem às ordens dos bombeiros: a cada interno trazido para fora, ele investe destemido prédio adentro para salvar mais um (mas não antes de dar um aceno e um sorriso para a equipe de televisão). Logo, todos os internos e funcionários estão a salvo… exceto Tonho, que ainda permanece dentro do prédio. Os bombeiros tentam controlar o fogo e salvar o “Salvador”, como já fora batizado nas chamadas ao vivo na televisão. Mas todo o derradeiro esforço prova-se vão. Tonho ainda aparece na janela do andar superior, como um deus grego saído de alguma epopéia, com um sorriso confiante nos lábios, acenando para a multidão. A última coisa que se vê em Tonho, antes de ser subvertido pela fumaça negra e pelas labaredas, é a expressão dum homem realizado.

Com o passar dos anos, a rua do hospício ganhou o nome de Antônio Cerqueira da Silva. O próprio hospício mudou seu nome para Centro de Recuperação Antônio Cerqueira. Um busto seu foi colocado em uma praça, e no aniversário de sua morte, até o dia de hoje, soltam-se rojões em sua homenagem.

Mas os parentes podiam jurar – muito embora sempre tenham feito silêncio sobre o caso – que nas fotos em que o Tonho aparece na janela, no andar superior, enquanto acena para a multidão, ele ostenta em uma das mãos, como se fosse um troféu, um modesto e discreto isqueiro.

5 Comments

  1. Grande Tonho, grande Juliano! Grandeza na inspiração, no narrar, entreter e surpreender. Parabéns!

  2. as pessoas preparam a morte sem perceber. Conheço uma senhora que tem um vestido lindo e fala que é só para “o dia especial”. Tem outros que se matam aos poucos assistindo reality shows, e pior , tem gente que mata seus filhos deixando-os assistir sessão da tarde. GRANDES HEROIS

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑