Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

CRIANDO MEMES

Crônica Humorística sobre criação de memes

Ela conheceu Marcos pela internet. Uma foto sem graça, uma pose estranha, um sorriso amareladamente forçado, mas um fértil humor convincente. Marcos não simplesmente compartilhava memes. Ele os criava. Pequenas tirinhas humorísticas. Nunca compartilhava o que não era seu. E produzia num ritmo alucinante. Memes e mais memes. Uma mente brilhante focada na direção errada, ela pensou. Não teria futuro. Não fazendo aquelas piadas caricaturescas sobre os tempos de escola e tirinhas sobre relacionamento com os pais. Não que não fossem engraçadas. Até eram, e muito. Mas ela, sensibilidade para as artes, percebia que havia ali um gigantesco potencial; um potencial que merecia atenção.

No mural dele, postou-lhe sugestões. Que tal uma peça de teatro? Um projeto piloto para a televisão? Crônicas semanais para o jornal da cidade? Um foco mais visionário. Além dessa mesmice. E das “memesices”.

Ele respondeu:

Eu não teria futuro. Eu não ia conseguir…

Hum… Um talento oprimido pela baixa valia. Um potencial espremido entre as paredes da depressão. Algo em comum entre grandes artistas. O que ela poderia fazer? Iria ajudá-lo, decidiu. Seria a guerreira a resgatar-lhe a sapiência e levaria o homem frente aos refletores – o lugar onde deveria estar, e de onde nunca deveria sair.

No post, perguntou se ele já tinha escrito algo assim. Talvez engavetado. Ou perdido em alguma pasta no computador. Ela tinha alguns conhecidos, pessoas influentes no mundo das artes. Poderia dar um toque, um empurrãozinho. E estava realmente decidida a fazer isso.

“Tenho sim”, espondeu Marcos. Ela vibrou. Trocaram e-mail. E ele enviou diversos textos. Algumas crônicas, um romance inacabado, um roteiro para um longa-metragem. Para surpresa dela, um pior que o outro. Textos vagos, toscos e repetitivos. Não eram humorísticos, e muito menos dramáticos. Apenas palavras desconexas de alguém que não sabe o que quer dizer. Se fossem para a televisão não dariam uma novela mexicana.

No Facebook, Marcos, parecendo impaciente, postou em seu mural.

“E aí, já leu os textos? São bons? O que achou?”

Ela respondeu:

“Ahh, cara… ainda nem tive tempo. Estou aqui gargalhando com as últimas tirinhas que você postou… kkkkkkk”

 

borda

Receba Novidades

Insira seu e-mail para ser notificado sobre novas postagens da Literatura Corrosiva!

Seu e-mail (obrigatório)

2 Comments

  1. Talento Ju, vc esbanja talento e eu fico grata por conhecer você e apreciar o seu belo trabalho!

  2. nossa muito legal tava precisando de uma cronica curta pra um trabalho e esse foi o mais legal

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑