Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

CRÔNICA – VERTE PUS

Desce. Sinuosa a rua lhe embaralha as vistas. O sonho que escorre pelo rosto é a embriaguez das horas passadas. Noite. Silêncio. Trôpego. É o corte no peito. É a esperança perdida.

No caminho, surge um vulto, um movimento perpétuo, uma outra alma decadente. Olho no olho, reconhecem-se. Não de outras eras, mas da mesma fossa. O mesmo tédio que lhes estoca o peito. Verte sangue. Verte pleura. Verte pus. E reluz a adaga perdida, imbuída da mesma fração. O mesmo vermelho que corre do peito e decora a calçada.

Os olhos que se encontram, deixam lágrimas. Salientes, corpos tesos, se recompõem, e sob pés que se arrastam, se distanciam, conquistando a escuridão. Nunca mais se verão. Até que o medo lhes impute o desespero, e ganhem a noite outra vez buscando a solução.

 

borda

Receba Novidades

Insira seu e-mail para ser notificado sobre novas postagens da Literatura Corrosiva!

Seu e-mail (obrigatório)

1 Comment

  1. Isso realmente foi profundo… me deu até vontade de chorar! Rsr

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑