Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

SONHO É PESADELO

Era um homem sem sonhos. Noites desprovidas de calor, paixão, intensidade. Apenas um  dormir descolorido,  descompassado. Durante o dia, o Nada lhe acariciava. Como uma companhia entendiante que não se afasta.  Caminhava horas e horas pelo asfalto, o calor retumbando sua testa engelhada. Esperava a noite, esperanças. Esperava sonhar. Acreditar em elementos desgovernados numa mente livre e criativa. Acreditar ser outra pessoa,  outros planos,  outros toques. Mas, no dia seguinte, apenas o nada. Nenhuma lembrança. Nenhum sonho.

Certo dia, conheceu a garota que só tinha pesadelos. Rapaz sem sonhos conhece menina de sonhos aflitivos. Ele, caminhando distante. Ela, apavorada. Como se tudo o que se movesse fosse ganhar a forma do monstro do último pesadelo, noite passada.

Sonho é Pesadelo - Crônica

Do contato, nasceu a simpatia. Desta, a dependência. Desta última, o amor. Ele lhe acordava na hora dos pesadelos mais terríveis. Ela preenchia as noites dele com o relato do que sonhara. Noites amenizadas para ela, noites intensificadas para ele.

Eram  caminhos  diferentes  que  se  cruzavam,  e  se alimentavam. Tentavam manter-se, por instantes eternos, na mesma direção. E até poderiam caminhar pela mesma estrada,  mas estavam cientes de que nunca pegariam carona no mesmo caminhão.

3 Comments

  1. Gostei garoto!

  2. Amei! De verdade, e quase chorei e não quero rimar. Não sei se pq ao ler tive uma música meio tristinha, “Low Lights” do Pethit. Mas, é uma das músicas mais lindas que ouço mto últimamente… E olha… Lindo o breve texto…!

    Achei bacana esse lance de wordpress…. Acho que teus textos outros ficarão lindos aqui sim… Manda ver ;)

    Abraços!

    P.

  3. Everaldo M. Hartmann

    19 setembro, 2012 at 20:08

    Parabéns, Juliano.. Bem interessante abordagem do alento .

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑