Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

PARA VOCÊ, PARA SEMPRE

Ontem já não importa. Hoje se dispersa. Despeço o agora, e peço sua atenção. Desapareço, quando me excedo. E cedo, te penso como tanto te quero e te esqueço.

Meus poemas são teus. Minha inspiração transpira teu nome. A poesia que te fiz é a alegria que meu peito alijou. Meu ontem e agora se desafogam, se amanhã teus olhos acharem que devem em mim repousar.  Deixe-nos se aproximar. Aportem teus olhos em meus cílios. Aportem teu sussurro em meus lábios. E acomode teu abraço em meus braços.

Te prezo, como preso te admiro. Te insisto como o fôlego final. E por final, ensaio o fôlego que me falta quando vejo os olhos teus, e imagino-os aportando nos cílios meus.
 

borda

Receba Novidades

Insira seu e-mail para ser notificado sobre novas postagens da Literatura Corrosiva!

Seu e-mail (obrigatório)

6 Comments

  1. Quanta expressividade no brincar com as palavras. Muito bom!

  2. Brincar com palavras de forma excepcional. Isso resume esse texto. Parabéns, como sempre!

  3. Lindo…. absurdamente lindo…

  4. Vou dizer o que eu achei numa palavra: Caramba…! rsrsrsrsrsrsrsrsrs

  5. Gosto de ler o que você escreve. Essas palavras tocaram meu coração. Obrigada.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑