Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

AUTOBIOGRAFIA

Nasci um gênio. E hoje sou um idiota.

Estive em sete países, mas não lembro quais são. Já me encontrei com Raul Seixas, e achei que fosse um sósia. Dormia de dia, escrevia a noite, e sonhava nas horas vagas. Já amei tantas vezes que esqueci a diferença entre um “oi” e um “eu te amo”. Já levei dois socos, mas não caí com nenhum. Já ouvi “me perdoe” várias vezes, e em metade deles, duvidei da sinceridade de quem dizia. Já tive uma banda. Minha primeira música se chamava “A Domável Vítima da Ditadura”. Já quis ser famoso. Já quis desaparecer e me esconder do mundo. Andei pela noite a procura de alguém, e na volta, sempre procurava por mim. Fiz boas ações. E muitas cagadas. Não me orgulho de ser, mas me orgulho de estar. Ao escrever o título deste post, pesquisei no Google para ver se era “autobiografia” ou “auto-biografia”.

Nasci um gênio, e hoje sou um idiota.

Rosto vazio - autobiografia

 

borda

Receba Novidades

Insira seu e-mail para ser notificado sobre novas postagens da Literatura Corrosiva!

Seu e-mail (obrigatório)

3 Comments

  1. Juliano, mais um burro aqui deste lado.
    Temos sorte!
    Temos sorte, pois os burros sao inteligentes! Apenas irreverentes!
    Abraco

  2. Ninguém nasce gênio e se torna “burro”,talvez ele apenas esteje sendo um pouco severo com sigo mesmo
    por não ter consigo realizar algo que pretendia e ficou frustrado.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑