Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

Category: Listas (page 1 of 2)

Os 5 Piores Erros ao Enviar Mensagens de Texto Para a Amada

SMS. Mensagens de texto. Torpedos. Resumidamente: um grande desafio para quem quer aproveitar as poucas palavras para expressar tudo o que pensa. Os apaixonados que o digam. O coração acelerado, as mãos trêmulas que mal encontram as letras no celular ou smartphone, e a velha e nada bem-vinda tensão sobre o que dizer e como dizer.

Este é um dos grandes problemas dos homens, especialmente quando são metidos a escritores. A habilidade em lidar com as palavras pode ser um grande problema quando há muito o que expressar, porém, em poucas frases. Escritores são prolixos por natureza. Estão acostumados ao oposto – explicar pequenas coisas com uma avalanche de letras e sentenças. Por isso, até na hora de enviar uma mensagem de texto, exímios escritores costumam suar frio…

Continue reading

PRIMEIRAS FRASES DE ROMANCES QUE NUNCA ESCREVEREI

Se eu estivesse inspirado para escrever um romance, começaria mais ou menos assim

Continue reading

REINVENTANDO A SÉTIMA ARTE

O cinema, segundo Sean Hartter

A reinvenção da telinha do cinema. A mente de um artista fundindo-se à sua paixão pela sétima arte. Sean Hartter concede asas à sua imaginação e reformula cartazes dos clássicos do cinema, transferindo-os para outras épocas, no passado ou no futuro. Uma viagem lúdica e prazerosa para um mundo onde a arte não impõe limites.

Continue reading

FAMOSOS INSULTOS DE AUTORES CONTRA AUTORES

Línguas e dedos afiados. Um pouco de mal-humor e muita criatividade para desfilar ofensas contra colegas, igualmente inamistosos. São os nossos queridos autores desenleando seus ácidos comentários sobre escritores que estão (ou estavam) um pouco distante de figurar entre os seus prediletos.

Continue reading

FILMES ATUAIS REINVENTADOS EM OUTRAS ÉPOCAS

E se os filmes dos últimos anos tivessem sido lançados décadas atrás? O mesmo filme, o mesmo conceito, porém, atores diferentes, diretores diferentes. Uma transmutação. Clássicos atuais sob uma ótica alternativa, tornando-se clássicos de décadas anteriores. Trata-se de uma viagem do artista Sean Hartter, e me fiz passageiro boquiaberto dela.

Continue reading

AS ÚLTIMAS PALAVRAS DE 9 FAMOSOS ESCRITORES

Quando alguém dedica uma vida inteira a literatura, na hora da morte, é imprescindível um toque de eloquência.

Continue reading

CRONICANDO

Desde criança, um estranho hábito: colecionar crônicas. Quando criança, eu pensava ser sonhos. Assim os descrevia: “eu coleciono sonhos”. Uma época onde as letras ainda não haviam se convertido em bits. Na biblioteca da escola, na pública, na particular de casa. Cópias a mão. Gostava de crônicas curtas. Fácil de ler. Fácil de copiar. O vício começou com Fernando Sabino e Luís Fernando Veríssimo. Nunca explorava estrangeiros. Queria contemplar a nação até o enfado. Queria. Precisava. Mas como este dia nunca chegou, viajei Rubem Braga e Nelson Rodrigues, conquistei Carlos Heitor Cony e Mario Prata.

Continue reading

QUEM É O MAIOR ANTI-HERÓI DO CINEMA?

A etimologia pode trair a concepção. Mas acredite: anti-heróis não são vilões. São diferentes em dois aspectos. Primeiramente, na própria definição. Numa definição tosca e rasteira, anti-herói é um herói cheio de defeitos. Mas, em segundo, e mais importante aspecto, vilões são personagens extremamente desinteressantes. Sempre recheados das mesmas características: são explosivos, previsíveis, patéticos. A mesma velha e desgastada expressão, a mesma sede de violência, a mesmice do mesmo. Por outro lado, os anti-heróis não estão tão inclinados a soberba. Aproximam-se mais da realidade. E isso é justamente o que os diferencia dos heróis, também. Possuem humor (negro), são irônicos, inteligentes, irritantes. Estão revestidos do oposto ao axiológico positivo: são imprevisíveis por não serem dotado da patética pureza perfeita dos heróis. São eles. São eu e você.

Ao pensar no grande nome entre os anti-heróis do cinema, confusão a vista (o que qualquer um poderia prever). Mas um exclusivo nome tende a desmerecer devidos créditos. Por isso, em minha tosca e infundada opinião, satisfaço minha paixão pelo cinema poético-realista, destacando dois nomes que devem estar no topo de qualquer rol dos anti-heróis do cinema.

TRAVIS BICKLE:

Frustrado, alienado, insone, obcecado, perturbado, egoísta, irônico, bruto, sensível, solitário, paranoico, deprimido, iludido por tentar fazer alguma diferença. Quer mais detalhes?

.

Estranho no Ninho Murphy

RANDLE PATRICK McMURPHY:

Visceral, Randle Patrick McMurphy, o criminoso que se faz passar por louco, torna-se, no final das contas, o mais humano no decadente e agressivo manicômio.

.

Será que fui injusto? Será que isso me torna um anti-herói?

LISTANDO CHARLIE

Charlie Sheen

“O amor é a gasolina da vida… custa caro, acaba rápido e pode ser substituído pelo álcool”.

Apenas uma dentre as pérolas arrebatadas do personagem Charlie Harper, personagem vivido por Charlie Sheen, no seriado Two and a Half Man. Suas declarações serpenteiam a internet com um fulgor invejável, e sempre são elencadas pelos internautas como estando entre as melhores da televisão e do cinema (há quem contrarie, com o mesmo fulgor).  Pelo menos, assim era. Afinal, Charlie Sheen acaba de ser demitido pela Warner. O polêmico e, agora, desempregado ator, recebia o maior salário da TV americana, algo que girava em torno de dois milhões de dólares por episódio.

Mas, a despeito do sugestivo nome de seu ex-personagem, o Harper, há outros personagens que contribuíram tanto (ou mais) para o posicionamento de Charlie (o Sheen), entre os grandes nomes do cinema. Justa ou não, lista-se mais ou menos assim:

Curtindo a Vida Adoidado

3-) Curtindo a Vida Adoidado (1986) – Não chega a ser exatamente um papel, no pleno sentido da palavra. Seria, digamos, uma participação especial. O personagem de Charlie é um jovem mulherengo, drogado, e que está preso (parecia até uma profecia do que aguardava a vida pessoal do ator). Sua aparição (e atuação) nesse clássico de John Hughes é emblemática.

Wall Street - Filme

2-) Wall Street (1987) – Papel principal, como Bud Fox, um jovem corretor da bolsa, atraído ao mundo da espionagem empresarial, abortando toda ética e moral, na busca de riqueza.

Platoon - Filme

1-) Platoon (1986) – A obra-prima de Oliver Stone, tem Charlie Sheen no papel do recruta Chris Taylor que, após largar a faculdade, se vê lançado na insanidade e violência da guerra do Vietnã.

O CINEMA ENSINA

yoda-setima-arte

A sétima arte mais do que entretém. É possível derivar algumas lições dos personagens da telona que povoam nossa imaginação. Elegendo dez personagens e o que aprendi com cada um deles, minha lista ficaria assim:

Sloth (Os Goonies) – É possível divertir-se mesmo com uma criança gritando em seus ouvidos.

Amelie Poulain – Contemple a beleza e a complexidade das coisas simples da vida.

Andy Dufresne (Um Sonho de Liberdade) – A esperança é uma coisa boa, e tudo o que é bom, nunca morre.

Billy Elliot – Se tiver vontade dançar, simplesmente dance.

Dom Cobb (A Origem) – Isso pode ser um sonho. Ou talvez não.

Ten. Ripley (Alien) – Se te olharem com ódio e começarem a salivar, melhor sair correndo.

Jerry McGuire – Lute por seus sonhos, mesmo que isso lhe custe sua noiva e seu emprego.

Roy Batty (Blade Runner) – Não somente viva. Queira viver.

Charles Remington (A Sombra e a Escuridão) – Se estiver cercado por feras, melhor dormir de olhos abertos.

Yoda (Guerra nas Estrelas) – Ainda que baixinho, feio, e falando errado, é possível ser um mestre.

Older posts

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑