Corrosiva

Crônicas corrosivas e gestos de amor

Category: Crônicas Pequenas (page 1 of 2)

Textos Curtos e Crônicas Pequenas da Literatura Corrosiva

Crônicas Pequenas da Literatura CorrosivaO tempo escasso. Com pernas amputadas. As 24 horas já não são vinte e quatro horas. Perderam espaço e identidade. Hoje é preciso objetividade. No mundo do pouco tempo, pouco tempo nos resta. Então, cuide de cada segundo como a preciosidade que nunca mais lhe voltará ao colo. Como Crônicas Pequenas escolhidas para enriquecer seu dia.

Neste blog, tento deixar meu lado prolixo, e assumir a brevidade que todos procuram.

Se o seu relógio avança impiedosamente, mas está decidido a mergulhar no mundo da literatura, deixo-lhes aqui, minhas Crônicas Pequenas. Talvez não sejam tão pequenas quanto gostariam, mas são crônicas de um mundo breve, e pequenas brevidades.

Homem de Isopor

Era um homem de isopor, esfarelado isopor. Torpor emocional, patético inspirar e expirar. Como se as engrenagens não se considerassem, como se os elos se desfizessem em simples argolas.

Continue reading

O Sopro e o Adeus

Era um dia qualquer sob um manto de tristeza qualquer. Não. Não era tristeza. Era monotonia, saca? Daquelas que pedem uma mudança de ares, imediata. Assim, fui ver a vida lá fora. E caminhando entre cinzas e nada, me deparei com um rosto conhecido entre máscaras desconhecidas. Vontade correr.

…corra.

… … corra.

Um momento, um flash, estendi a mão e disse um olá como vai meio falso.

Ele tentou sorrir.

Mas não sorriu.

Continue reading

E Quem Poderia Prever…?

Como quem não suportava, insuportei-me – esta loucura redimensionada em minha pele seca e visão ressequida. Olhos entrelaçados, um mistério que me consumiu, a intensidade sôfrega desenhada em mim. E sob a chuva negra, correndo sem participar de sorrisos aleatórios, não deixo de me perguntar: quem poderia prever que você pudesse me amar?

Continue reading

VIAGEM NO TEMPO

Tinha um dom único: viajar no tempo. Sem máquina, maquinaria, apetrechos ou afins. Um deslocar-se assustadoramente unidirecional: voltava no tempo. Jamais podia avançar no futuro. Descobriu o dom assim, do nada. Na juventude, 12 ou 13 anos, perdido entre lâminas afiadas do arrependimento, desejou voltar atrás e refazer tudo. Fechou os olhos, e de repente… estava lá. O mesmo corpo. A mesma cena. Um minuto antes. Tempo suficiente para desfazer a bobagem. Ou melhor ainda, nem sequer cometê-la.

Continue reading

ESTE É O FIM

Continue reading

PARANOICO, NÃO ANDROIDE

Testando… um, dois, três. Personagem no cume das atenções. Reciclado. Em teste. Ainda não habita, mas tenta se habituar. Personagem com 35 anos mal cumpridos abre a janela e é alvejado pelo Sol. Como um vampiro, sente sua pele arder. Há um cheiro de queimado no ar. Recicla-se. Novas ponderações. Vida tolhida. Restos colhidos. Ratos, baratas, flores. Hora da limpeza. Ainda é um teste. Ele não sabe se vai funcionar. Ele ainda vê o mundo pelo retrovisor – só percebe o que passou.

Continue reading

AUTOBIOGRAFIA

Nasci um gênio. E hoje sou um idiota.

Continue reading

CHUTANDO FANTASMAS

Continue reading

EXCLUA A IMPERATRIZ DE SEU MSN

Continue reading

PARA VOCÊ, PARA SEMPRE

Ontem já não importa. Hoje se dispersa. Despeço o agora, e peço sua atenção. Desapareço, quando me excedo. E cedo, te penso como tanto te quero e te esqueço.

Continue reading

Older posts

© 2016 Corrosiva

Theme by Anders NorenUp ↑